quinta-feira, 27 de fevereiro de 2014

Poder da Oração

Bom dia,

Cada palavra, uma ação. A vontade, uma reação. No silêncio do íntimo, reina a Oração.

Profunda vontade, desejo mesmo do ser, palavra por palavra. Tudo é escutado, com profundo respeito. Entidades venerandas recolhem com imantado amor, cada súplica, cada invocação.

Pedimos com amor e sinceridade e sempre seremos escutados.

No mundo invisível, a prece é acatada, com bons pensamentos e afastamento dos Espíritos ruins. Estes não entrar em recinto protegido pela prece.

Aonde estiveres, ore. Não existe hora exata, qualquer momento é momento certo.

Tudo que pedires, com fé, te será concedido. Essa é uma certeza imutável, porque Deus a ninguém desampara.

Fique bem,

Elésias

quarta-feira, 26 de fevereiro de 2014

Esclarecimento sobre Espírito trevoso ou homem-sombra

Olá Mensageiro,

Temos acompanhado a série televisiva que tens periodicamente assistido. Por ter surgido uma dúvida pertinente nos teus pensamentos, decidimos esclarecer-te.

Os Espíritos trevosos, ou imersos em trevas, são conhecidos mundialmente em praticamente todas as culturas. Sociedades do velho mundo edificaram o mito do "vulto", i.e., uma massa preta, densa, com a forma da figura humana.

Muitas pessoas vêem vultos, mas nem todos são Espíritos trevosos. Nos EUA são conhecidos como shadow-man ou homem sombra, deslocam-se por antigas residências e/ou lugares tido como assombrados.

Essa massa escura, que pode variar do cinza claro ao negro denso, é resultado de perispíritos densos e carregados. O ódio, o rancor, o ciúme, a inveja e a dor sem fim são os caracteres mais expressivos.

São almas atormentadas, ignorantes e perversas, sem rumo próprio. Tendo por único prazer aterrorizar e perseguir outros Espíritos, encarnados ou não, por onde estiverem.

São atraídos principalmente pelo medo, pela cobiça, pela inveja, pelo ciume, pelo orgulho e pelo egoísmo.

As aparições tornam-se visíveis pela densidade material do fluído que os alimenta, bastante animalizado, drenado na maior parte das vezes dos médiuns que ocupam o recinto em que se tornou visível.

Os trevosos ou shadow-man (homem sombra) retroalimentam-se do medo que causam. Uma vez descobertos e tratados com indiferença, partem para outros sítios a procurar novas vitimas.

É preciso tratá-los com respeito e amor, como qualquer outra entidade, dando-lhes a oportunidade do arrependimento e do conhecimento, para que se eleve a si mesmo, e saia do lamaçal pútrido que ele mesmo se colocou.

Muitos sofrem por castigo Divino e são obrigados a ficar anos sem fim nos lugares onde cometeram seus piores pecados.

Se eu puder dar um conselho, eis o seguinte:

Orem pelos Espíritos endurecidos, não são diabos, demônios ou capetas, são pessoas como nós que adoeceram gravemente através da porta do ódio e do rancor.

Fiquei feliz por contribuir,

Muito cordialmente,

Espectro Man, de Illinois e Connecticut

Seja luz

Se acumulas conhecimentos, distribui sem cobranças;

Deus te deu boas condições de instrução, não seja ingrato guardando só pra ti;

Explica com calma, sem alarde e com mansa serenidade, qualquer questão que te seja imposta;

Auxilia aos que te procuram, recorda-te que a sandice se esconde entre palavras coerentes;

Avalia a mensagem, com senso racional apurado, indicando o caminho mais adequado;

Pensa mais nos outros e menos em ti. Pode parecer estranho, mas a devoção e renúncia fazem parte da conduta Cristã;

Elege o Amor como bússola sagrada, jamais te desapontarás com essa decisão.

Faz o que é certo e viverás.

Faz o que é correto e triunfarás.

Faz o que é preciso e edificarás;

Faz o que é bom e consolarás;

Faz o que é digno e iluminarás.

Haja o que houver, não deixe de fazer.

Seja luz,

Att.

Teu anjo amigo, Apleael.

terça-feira, 25 de fevereiro de 2014

Conceito de Humildade

Ser humilde é:

Aceitar a realidade exatamente como ela é. Costuma-se definir a figura "humilde" em dois instantes: no momento de tribulação e na bonança.

Durante a tribulação o indivíduo é atingido por toda a sorte de dores, provas e expiações. Ser humilde é enfrentá-las sem reclamar, sem se lamuriar e sem agredir ou culpar ninguém.

Durante a bonança o indivíduo é cercado de toda a sorte de elogios, adulações e carícias no ego. Ser humilde é jamais aceitar destaques, elogios e nenhum tipo de adulações. Evitar o adulador e dar graças a Deus por ter a oportunidade de ajudar.

Quando a dor escruciante te procurar, ser humilde é silenciar na dor e não reclamar;

Quando a inveja te perseguir, ser humilde é orar pedindo socorro contra o mal olho;

Quando a calúnia te atingir, ser humilde é compreender que a maledicência é um imperfeição da humanidade;

Quando o drama da tragédia te encontrar, ser humilde é entender que o universo não está sob o nosso controle;

Por fim, algumas considerações importantes sobre humildade:

Ser humilde é perdoar sempre e incondicionalmente familiares, amigos e inimigos;

Ser humilde é jamais retribuir o mal com o mal sofrido;

Ser humilde é compreender que tudo tem um sentido lógico;

Ser humilde é aceitar que existe uma força muito maior que nós e que a Ela tudo devemos;

Ser humilde é visualizar que já fomos muito piores que hoje e que estamos evoluindo, mesmo que devagar;

Ser humilde é respeitar as pessoas, todas elas, entendendo que não somos nem menos nem mais do que ninguém, somos iguais;

Ser humilde é acreditar e respeitar o livre arbítrio dos irmãos na terra, reconhecendo que Deus respeita as escolhas de cada um;

Ser humilde é avançar na senda do amor, sem desejar nada em troca;

Ser humilde é livrar-se do interesse pessoal em detrimento daquele que lhe pede ajuda, seja na rua, em casa, ou via tecnologia;

Ser humilde é aprender a viver com paz e resignação, rogando a Deus que nos inspire boa idéias, tendo a certeza de que as que já tivemos a Ele pertencem.

Rogo a todos que guardem a humildade sempre como uma vigorosa adversária do orgulho.

Que Deus vos ilumine com muito Amor e Sabedoria.

Julius

segunda-feira, 24 de fevereiro de 2014

Culto ao corpo

Meus queridos,

Afastai de vós a vaidade. O excesso e o exagero, divulgando corpos avantajados, nenhuma vantagem vos dará no plano espiritual.

Eliminem o excesso da perfeição física, do corpo demasiadamente trabalhado, qual escultura inerte e inútil.

No entanto, não descuidem da saúde. Um corpo perfeito é constituído, também, de uma aura saudável. Reconcilia-vos com o bom proceder e a boa alimentação.

A boa alimentação é projeto de um corpo saudável. Num mundo como o vosso, porém, somente a carne pode suster a carne.

Elimine da vossa dieta todo alimento saturado e artificial.

Muita paz,

Mílon, protetor dos Atletas.

quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014

A História de Malco

Oi mensageiro,

Que a Paz esteja conosco,

Venho de muito longe para lhe contar minha História.

Meu nome é Malco. Nasci pelo ano 10 da nossa Era, numa comunidade de pastores perto de Betsaida. O terreno acidentado abrigava pequenas glebas de pastoreio. Meu pai era pastor e minha mãe tecelã.

Tive modesta infância junto de animais domésticos. Aprendi a lida de campo e ajudei meu pai por um tempo. Quando fiz 18 anos parti para Jerusalém.

Deixei a família por um futuro melhor. Tentei trabalho na lavoura comunal, mas não consegui. Transeunte na rua fui convidado por um pretoriano a conhecer o pátio do Templo.

Fiquei encantado com as vestes romanas. As armas me despertavam poder e o Templo era de uma riqueza exuberante. A riqueza e o poder logo me contaminaram e passei a adotar as vestes romanas, usar as armas e frequentar o Templo.

Lá conheci Anás, sogro do sumo sacerdote, por quem fui muito bem tratado. Interessavam-se pela minha adesão ao exército romano e minha familiaridade com a cultura dos patriarcas hebraicos.

Simpático às práticas opulente do Templo, rapidamente fui convidado a fazer parte dos servos do sumo sacerdote. Essa espécie de convênio entre romanos e doutores judeus me fez muito bem.

Enriquecia e sentia que ali era meu lugar devido, fiz de Jerusalém a minha casa. Na véspera dos meus 20 anos um falatório generalizado espalhou-se por toda Israel.

Um curador, vindo em nome do Pai, se dizia o Messias prometido. Suas curas repercutiam por todos os lados. Seu nome era Jesus.

Na véspera da Páscoa do ano 33 fui chamado a servir no Templo, com a promessa de Caifás, aumento do soldo e longas férias para visitas do meu antigo lar.

Uma noite mudaria tudo isso. Fui acordado às pressas com os dizeres: peguem as armas e as vestes, o sumo-sacerdote levará o Filho de Deus à Pilatos. Essas palavras ecoaram na minha alma.

Acostumado a escutar notícias de um homem puro, santo e benfeitor. Por onde passava, trilhas de rosas emergiam do solo, diziam. Falavam da fonte de alegria e felicidade desse Nazareno, mas precisava eu me juntar à trupe de captura.

Antes da primeira noite estávamos à postos e preparados. Orientávamos por um homem do bando do Curador, chamado Judas, que nos havia informado sobre o lugar de estada de Jesus naquela noite.

Andamos longas horas em meio às oliveiras. Três horas depois, afastado dos muros da cidade, sentimos o cheiro e o estalar de pequena fogueira, com brasas ainda fumegantes.

A luz dos archotes pouco a pouco clareava o mato. Ao longe avistamos um vulto alto e esguio. Durante a aproximação fomos recebidos por este homem alto.

Apresentava uma barba cerrada, firme e compacta de cor castanha. Cabelos com longos cachos cobriam os ombros estreitos e preenchidos por manto de linho pardo, meio esfarrapado, que escorria pelo corpo até os pés. Sandalhas de couro surrado protegiam os pés, deixando escapar dois ou três dedos por rasgos.

Seus olhos profundos, resplandeciam uma claridade inigualável no meio da escuridão. Lábios finos e nariz pontudo ornavam um suave sorriso, muito acolhedor.

Sentimos todos uma estranha felicidade ao se aproximar deste homem. Logo avistamos mais duas ou três pessoas junto do que nos recebeu.

Caifás olhou a todos nós, como que cobrando de Judas a sua parte do acordo. Logo, aquele homem baixinho deu alguns passos a frente e escutamos todos a vós do homem procurado.

Escutei duas perguntas. Uma endereçada ao sumo-sacerdote: irmãos, a quem buscam, a quem estão procurando? E a outra pergunta foi feita a Judas, já diante de si: Amigo, a que viestes?

Arrepiei todo, vi um beijo estalado no rosto de Jesus. Caifás mais um vez me olhou. Os homens frente a frente trocaram mais umas palavras. Eu estava apreensivo, mas por ordem, tive que avançar.

Pulei sobre Jesus e segurei-Lhe os braços. Nenhuma força Ele me opôs. No mesmo instante, um homem chamado Cefas, dito Shimonn Bar Jhonas ou Simão Pedro, desembainhou uma lâmina de um côvado e meio de comprimento e três polegadas de espessura.

Estava afiada como só um pescador sabe tratar uma lâmina. Cortava até a alma. Ao tocar em seu Mestre, Cefas avançou sobre mim, golpeando-me com força o rosto com a espada.

Atorou fora minha orelha, junto com uma parte da bochecha, caindo a pele sobre o ombro. A dor foi escruciante. Horrível. Dor aguda e agoniante.

Me ajoelhei de tanta dor. Jesus voltou-se para Cefas e o repreendeu dizendo: Pedro, embainha a tua espada, porque quem com ferro fere, com ferro será ferido ou quem com a espada mata, pela espada perecerá.

Olhei ao lado e fui abraçado por Jesus. Ajoelhou-se diante de mim e disse: Malco, acalme-se. Repousou sua mão no meu rosto. Senti um calor no lado esquerdo da minha face. Lágrimas copiosas brotavam dos meus olhos, resultado de uma emoção que até hoje não sei explicar.

Ele sabia meu nome. Sabia quem eu era. Conhecia-me intimamente.

Um misto de amor, alegria, felicidade, uma exaltação da alma. Um amor incondicional. Senti minha alma estremecer. Me acolheu em seus braços e me levantou.

Ao me levantar, estava a minha orelha restituída à caveira. Restava apenas as manchas de sangue nas minhas vestes. Outros soldados avançaram e O levaram.

Eu chorei tanto que voltei a me ajoelhar. Ainda escutei Anás gritando: já te tornaste um deles? fraco!

Fiquei dois dias sentado no pátio do sinédrio, pensando, pensando e pensando. Não conseguia entender tanto amor.

O alarde continuou e nos dias seguintes Jesus foi crucificado cruelmente. Eu deixei Jerusalém. Voltei para minha terra natal.

Eu pago dolorosamente pelo engano que cometi. Devia ter ficado ao lado de Jesus, protegendo-O, amando-O, adorando-O.

Desencarnei nos pastoreios de meu pai, em Betsaida, no ano 83.

Jamais me esquecerei de Jesus, reencarnei muitas vezes como sacerdote cristão, e mesmo assim ainda sindo necessidade de redenção.

Com muito amor,

Malco, servo do sumo-sacerdote aos tempos de Jesus.

quarta-feira, 19 de fevereiro de 2014

Alegria de Viver

Amados leitores,

Por onde andares, espalha a luz do teu amor.

Recrutai os bons, pois ao teu lado, batalharão pela justa vitória do Bem.

Inspirai os bons pensamentos, meditai, olhai e vigiai.

São as dádivas de Deus que nos amolecem. Precisamos ir adiante, fazendo o bem, sorrindo e amando.

Não leve a sério os que te renegam o caminho, orai por eles. A felicidade é suave brisa do coração consolado.

Sabemos o quando sofres, e a calmaria que se abriga em teu suave sorriso, é mérito do teu estudo assíduo.

Perfuma o caminho sagrado do teu Ser. Releva, releva. Somente o amoroso pode ser manso, somente o humilde pode ser afável e dócil.

Tudo o que criares, voltará para ti, na mesma forma e energia. Cada simples sorriso que distribuíres, retornará para a casa do pai, na forma de amor doado.

Sejamos Paz praticada, paz de fato, paz de vida!

Alegria esteja contigo a cada momento de tua caminhada.

Cristo Vive!

Teosofeu e Cleofas, mártires em Jesus

terça-feira, 18 de fevereiro de 2014

Má vontade

Ide e pregai!

Saindo de tua casa, o Senhor te sustentará.

Onde ergueres a vós, em clamor e instrução, Deus te proverá.

O caminho é e será doloroso, mas o dia virá.

Está escrito e circunscrito. Médium de Amor sem fim serás.

Tua língua, ainda distante da saudável santificação, será lâmina afiada do Bem.

Teu dorso forte carregará o suave fardo do acolhimento.

Tuas mãos agirão no Bem e teus ouvidos captarão as mais elevadas mensagens.

Teus olhos verão a Verdade e te guiarão pela senda do Amor.

Por isso...

Fuja da má vontade. Estude sempre! Afaste-se das desilusões transitórias, desapegando-se por definitivo dos excessos grotescos.

Ame muito! Ame mais, ame sem cessar! Ame quem te apedreja e quem te quer mal. Ame infinitamente!

Joshiel e Apleael, guias

Espera

Irmãos,

É tarde, eu sei. A dor se alonga contínua e paralisante. Pensa melhor nas atitudes, nas palavras e nos gestos. A espera e paciência são duas amigas inseparáveis.

É preciso ter muita fé para enfrentar os desafios do dia a dia. Mas coragem! O Senhor está à porta e bate. Mantenhamos os olhares altaneiros em Deus. Nunca nos falhará.

É criando novos rumos, nova vida, que progredimos. Ninguém entrará na Nova Era portanto as imperfeições do passado. Devemos expulsar dos nossos corações os resquícios dos vícios morais.

É volitando em torno do saber que adquirimos um conhecimento durável, lado a lado com o Amor incansável do Mestre. Sigamos em paz, sabendo esperar cada momento certo para agir e calar.

Luz é vida. Espíritos trevosos que nos circundam são resultados da atração de nossas próprias imperfeições.

Se te sentires triste, busca logo a alegria de viver;

Se te sentires magoado, busca logo o perdão renovador;

Se te sentires raivoso, busca logo o amor fraternal;

Se te sentires subtraído em tuas posses; busca logo a caridade e compartilha;

Se te sentires ofendido, busca logo a humildade e quebra teu orgulho.

Sejamos máquina de paz, instrumento do amor, pétala perfumada de tranquilidade.

Que assim seja.

Matilde, conselheira.

quinta-feira, 13 de fevereiro de 2014

Orgulho em ti

Mensageiro,

Orientando a tua comunicação, nos manifestamos. Em primeiro lugar sou grato pela evocação, em música tão agradável.

Existem em ti, ainda, três tipos de orgulho: pretensão, presunção e vaidade. São específicos e ainda permanecem como chaga que te devora. Estás certo ao crer que toda manhã precisas te reavaliar.

Vou te explicar os danos de cada um deles:

A pretensão: faz tu pensar ser mais do que realmente és. É uma ilusão, um delírio da tua mente que acredita ser mais do que é. Não somos nada, absolutamente nada, sem a égide de Deus. Nosso atraso é confirmado pelo estágio na Terra, planeta infinitamente pequeno, atrasado e material. Julgar-se mais que os outros é um erro comum, mas perigoso. A maior figura do planeta ainda não alcançou os pés de Jesus, considerado mendigo. Siga as palavras do Mestre: "Aquele que se exalta será rebaixado e aquele que se rebaixa (humilha-se) será exaltado".

A presunção: faz tu sentir que sabes mais, que conheces mais do que os outros e que és dono de uma inteligência fora do comum. Tola ilusão. O teu cérebro não suporta um terço de carga emocional, imagina de conhecimento. O maior sábio da terra se fez louco para entender Deus e, mesmo assim, teve de se ridicularizar mediante a Sabedoria Divina, admitindo que não era dono da Verdade. Somos simples portal de instrução, em constante aprendizado. Viemos para aprender, somente Jesus pode ensinar para a Vida.

A vaidade: essa filha do orgulho e do materialismo corrompe gerações. Muitos se perdem no amor próprio, como se fosse a única ancora de sanidade. Pobres mortais, não imaginam quão rápido a carne apodrece. A dedicação a si, em excessivos cuidados, é sinal nítido da ausência da caridade. O vaidoso protege a si mesmo, esculpe a si mesmo, num senso material alucinado. Esquece do Espírito e da centelha divina que traz consigo.

Irmão, não se deixe levar pelo amor próprio, é dele que surgem as mágoas. Essa super personificação do Eu, mácula do roteiro que outrora te foi planejado.

Inspira-te nos louvores, como tens feito, para que brilhe em ti a luz da simpatia e da doçura.

Muito Amor, muita paz. Espero ter esclarecido tuas dúvidas.

Naamoon (Namão), servo da Piedade.

segunda-feira, 10 de fevereiro de 2014

Mediante a dor alheia

Irmão,

Conhecemos o teu trabalho. É preciso ter compromisso com a Verdade. Sem ela, teu castelo ruirá.

Quando te buscarem na dor, é hora de serviço chamado. Jesus solicitando, precisamos ir.

O tormento alheio é como pólvora úmida, só explode quando seca.

O orvalho de tua oração, umedecerá os corações, trazendo consolo e conforto.

Não se deixe iludir, somos todos passageiros do mesmo barco de pagamento.

Não somos melhores que ninguém. Tua ajuda é sempre bem vinda, contando com as seguintes condições:

Mediante a dor que fustiga, jamais julgarás;

Diante da lágrima penosa, jamais criticarás;

De frente com a mágoa profunda, jamais condenarás;

Lado a lado com o tormento alheio, jamais opinarás.

Os conselhos salutares provém sempre de Jesus e Seus Emissários. Para aliviar a dor, e tirar do abismo vosso irmão é preciso que:

Libere a tua boca para proferir os pensamentos dos Protetores do Além;

Disponibilize teu tempo para a escuta caridosa;

Transmita energia com o olhar carinhoso e com o suave sorriso amigo.

Ide e Pregai, o trabalho espera por nós!

Teu amigo, Elasbão.