segunda-feira, 30 de junho de 2014

Relações espirituais

Em termos de afinidade, todo esforço na melhora pessoal é ganho.

Vibração é um estado em que o Espírito sente, inconscientemente, sua energia aspergir no espaço.

Todo indivíduo vivo, encarnado ou não, vibra numa certa intensidade. Essa intensidade vibratória depende das emoções que preenchem o mundo íntimo desse ser vivo.

Se está irritado, vibra ódio.

Se está calmo, vibra serenidade.

Se está magoado, vibra ofensa.

Se está amando, vibra paz.

Se está ofendido, vibra mágoa.

Ninguém escapa de divulgar o seu mundo íntimo. Jesus disse: a boca fala, o que o coração está cheio.

Essas relações espirituais são estabelecidas pelos nossos comportamentos íntimos, pensamentos, ações e práticas cotidianas. Hábitos ruins, atraem resultados frustrantes. Hábitos responsáveis, atraem resultados positivos.

O silêncio, durante a mágoa, ajuda a recompor a energia perdida. A prece, durante a calúnia, doa energia ao quem nos persegue, evitando que essa plasma nos seja arrancada contra a nossa vontade.

Se mentirmos, dificilmente trabalharemos com um espírito comprometido com a Verdade. Se maldizemos, dificilmente trabalharemos com espíritos sinceros.

Onde a verdade reina, o espirito do mal não permanece. O bem presente é começo de grande vitória. A paciência e a resignação são as portas de entrada do amor e da benevolência.

Continuemos com afinco,

Apleael, um dos guias do médium.

Não esqueça

Oi mensageiro,

Não se esqueça de servir, mesmo que precise doar-se até o fim.

Não se esqueça de louvar, mesmo que precisa isolar-se do meio em que vive.

Não se esqueça de orar, mesmo que tenha que parar tudo para fazê-lo.

Não se esqueça de plantar, mesmo que as ferramentas estejam gastas e enferrujadas.

Não se esqueça de amar, mesmo que o devotamento se dê na humilhação.

Não se esqueça de perdoar, mesmo que precise renunciar ao amor-próprio.

Não se esqueça de si mesmo, mesmo que para isso precise se lembrar de Deus a todo instante.

Muito cordialmente,

José, um esquecido arrependido.

Marcado para vencer

Existe probabilidade de perdermos uma encarnação? Os talentos que recebemos, antes do nascimento, podem nos levar a derrota? Vemos muitos fracassando, não tanto pela sua ignorância, mas sim pela falta de força de vontade.

O suicídio é uma página dolorosa da história da humanidade. Algumas culturas o tinham por tradição, outras por aberração, outras ainda por esquisitice. A grande parte da humanidade, isso é certo, encara o suicídio como dolorosa chaga da mente humana.

Aquele que escolhe vencer, avançar e trabalhar é praticamente imune a tentação. Ele escolhe viver, é pró-vida, mesmo diante da mais dolorosa vicissitude. É vitorioso mesmo diante a mais dura derrota. Entende que já venceu, que já está livre da luta delirante contra o orgulho e o egoísmo. É livre porque encarou seu lado escuro frente a frente, foi humilde para perceber-se enquanto um ser normal, sem mais nem menos.

O suicida é doente. Mas sua patologia não tem ligação efetiva com a carne. É um patológico espiritual, porque não se entende como indivíduo portador de defeitos. Não percebe que pode existir em si a inveja, o ciumes, o ódio, o rancor e a desarmonia. Não se reconhece como agente do mal, que há em si e no mundo, não se visualiza a si, não percebe o tamanha da trave no seu olho.

O suicida é, por isso, o pior dos egoístas. Não entende a dor que causa nos demais familiares, não compreende, ainda o tamanho de sua ignorância e, por isso, priva a sociedade de si mesmo, numa tentativa de vingar-se ou de privar o sei do lar de seu convívio. Talvez, sem entender, que aquele momento enganoso é, na verdade a despedida da oportunidade sagrada, talvez a única que oferece Deus para reconciliar-se consigo mesmo.

O suicida vê, logo após o ato cometido, que não morreu. Que seu plano de inércia eterna caiu por terra. Vê que vive e sente as aflições agravadas mil, agora que não conta com seu apoio para a resolução. Alguns arrependem-se e logo são amparados pela misericórdia, outros revoltam-se contra Deus. Sobre estes último que queremos falar.

O suicida endurecido é um dos Espíritos que mais dão trabalho para o plano espiritual. Estes não tem vontade nenhuma de vencer na vida, de sair e trabalhar, de amar a si mesmo e aos outros, nestes ainda predomina o mal e os instintos doentios. Ataca a quem vê pela frente, na tentativa quase sempre frustrada, de tentar levar ao suicídio pessoas que por descuidos se deixam influenciar.

Contra estes espíritos endurecidos a oração somente nada consegue, eles não se emocionam, não se sensibilizam. Para estes é necessário o devotamento e a reforma íntima, somente através da eliminação das impurezas em nós mesmos, é que os amoleceremos através do exemplo.

Passando por dificuldades muito piores que eles não aguentaram, suportando com paciência muitos insultos que não aguentariam nem o início. Demonstrando humildade em situações humilhantes onde eles somente revidariam. Esse tipo de exemplo são preciosos a estes espíritos, simplesmente porque não entendem os benefícios da humildade e isso os cativa e impressiona.

Por isso, dizemos em um só tom, sejamos exemplo antes de ser discurso;

Sejamos ações, antes de ser palavras;

Sejamos comprometimento, antes de ser hipócritas;

Sejamos trabalhadores, antes de ser demagogos;

Sejamos atos, antes de ser palestras;

Sejamos humanos, antes de ser deuses.

Muita luz.

Alguns Espíritos





Fizestes o que era certo?

Muitas vezes te parece ser certo, correto e até mesmo o justo. Acontece que não sabemos o que move as pessoas. O certo para mim, pode não ser o certo para você. O correto para um juiz pode não ser o correto para um delinquente.

Certo e correto é sempre relativo. Não são essas as diretrizes seguras para alicerçar valores éticos. Cristo já havia esclarecido a respeito. A única forma de saber se o que fazemos é bom, é justo, é avaliando-nos na posição da pessoa que recebe a nossa ação. É preciso se colocar no lugar da pessoa e pensar: eu gostaria que ela fizesse isso comigo? Ou: gostaria eu de sofrer essa ação?

O princípio do bem é o devotamento, é a abnegação, a renúncia. Isso quer dizer sacrifício. Mas o sacrifício, sem amor, é nulo. Quando se pratica o bem e a caridade, reconhece-se, como fruto de uma ação o próprio espírito que se vem purificando e aperfeiçoando. É o resultado, porém, da evolução do Espírito e não um ato forçado em interesse próprio.

Quando se faz o bem, faze-o de maneira abnegada, sem julgar e sem esperar nada em troca. É um amor doado, sem o mínimo interesse de ganho, sem o foco na vitória e, por muitas vezes, sem buscar destaque.

A entrega completa só se dá em meio a Espíritos que aprenderam a amar indistintamente. Espírito que compreenderam que a doação e a renúncia só nasce do amor fecundo em Deus e em si mesmo, para o bem de todos.

Muita paz!

Plísius, um dos guardiões do médium

Na aflição, ame...

Oi meu filho,

Fico triste fio, toda vez que vejo a chibata do orgulho. O tronco mudou apenas de lugar. O cativeiro continua o mesmo, lares em conflito, famílias que não se entendem.

Fio, por muito tempo o mundo andou nas trevas, mas hoje não, já é chegada a hora da mudança. O tronco vai ser extinto pelo amor eterno. Todo trabalham pelo perdão e pela compreensão, já não se vê hoje o chicote estalado no lombo do preto, mas é comum o assédio moral, a humilhação e é desse relho que se chama orgulho, que trabalhamos para diluir.

O perdão e a tolerância são os anestésicos das feridas. A dor precisar ser erradicadas dos lares através do ensino de Jesus. Único capaz de consolar com amor as chagas da alma.

Estamos contigo meu filho, tens que trabalhar mais e mais, combatendo a ignorância, essa sim é a grande treva da humanidade. Deus te ampare meu filho.

Ambrósio, Preto Velho.

quarta-feira, 25 de junho de 2014

Com vontade de viver

Vemos, cotidianamente, uma multidão de Espíritos desesperados.

Vemos, seguidamente, milhares de almas perturbadas.

Vemos, dia a dia, uma legião de Espíritos dedicados ao mal.

Vemos, constantemente, turbas gigantescas de Espíritos ignorantes.

Percebemos, no entanto, milhares de pessoas no serviço do Bem.

Reconhecemos, contudo, a maioria esforçando-se por melhorar-se.

Sabemos, com isso, que os bons estão na ativa e trabalham.

Entendemos, por isso, que o mal não é mais forte que a vontade de amar.

Instruímos, assim, muitos a seguir o caminho da luz.

Sentimos, em fim, que o Bem triunfará e o amor dominará a Terra.

Anastácio e Ambrósio, dois preto velho a serviço de Oxalá.

Amigo de todas as horas

Olá mensageiro,

Foi com muita alegria que observamos o trabalho mediúnico de ontem. Fostes sincero, direto e transmitisse muito bem as mensagens que te eram repassadas.

Não te envaidecesse, mesmo tendo motivos para isso;
Não te orgulhasse, mesmo sabendo da conexão bem sucedida;
Não fostes pretensioso, mesmo conhecendo o nível de cada espírito comunicante;
Não fostes presunçoso, mesmo reconhecendo a bagagem de que dispões.

Isso, porém, é só o início. Não tens direito algum de vangloriardes, pois tudo foi realizado com o nosso apoio. A tua humildade permitiu o sucesso das comunicações, mas mantenha-se atento ao embuste e à mistificação, alguns Espíritos levianos podem espreitar e atacar quando menos esperamos.

Somos, portanto, os amigos de todas as horas. Estamos ao teu redor, durante a oração, os pensamentos, as escutas e os conselhos. Não desanimes, somos língua abençoada a guiar teus pensamentos. Fique tranquilo, a cada dia a conexão fica melhor.

Médium, instrumento da Paz do Senhor, não desanime jamais. Mesmo em oculto, teu trabalho é sempre contabilizado, é preciso mesmo que fique em segredo (ética). Não comente muito, não jogue pérolas aos porcos. Ame e aprenda a calar-se na hora certa.

Lembre-se do espinho na carne (II Romanos 12:7) e jamais se vanglorie das comunicações, apenas agradeça a Jesus!
Deus é maravilhoso,

Apleael, teu amigo de todas as horas.

segunda-feira, 23 de junho de 2014

Cala-te por amor

Querido filho,

A viagem pela terra é interessante. Sofremos, vencemos, perdemos, sorrimos e choramos. Em meio ao griteiro comum, poucos fazem silêncio. A alma fala alto, seu mundo interno. Espalhando, aos quatro ventos, suas felicidades ou suas tristezas.

A reclamação e a lamúria fazem parte da vida, muitos ainda não aprenderam a silenciar, ao menos para poupar os demais do seu próprio sofrimento. O egoísmo é isso, é rogar aos demais que se importem com nossas próprias falências.

Espíritos imaturos reclamam e se queixam de situações, muitas vezes, simples. Por quê? Fruto do medo, da insegurança, da mal interpretação da vida e de Deus. Por isso, saber calar é uma dádiva que ainda poucos alcançaram. O silêncio interno é um patrimônio que poucos conhecem.

O silêncio interno emana paz. E quanto mais paz distribuirmos, melhor seremos aceitos e nos aceitaremos nos meios sociais.

Muita paz.

terça-feira, 17 de junho de 2014

Jesus em mim

Companheiro de intercurso,

Faz 2000 anos que recebemos a mensagem que mudou a humanidade: amai os vossos inimigos.

O propósito moral de Jesus acabou com centenárias desavenças. Criando outras, em mentes que não O compreenderam. Quando internalizamos a mensagem de Jesus o mundo ao nosso redor também se modifica.

Quando perdoamos sinceramente as ofensas, tornamo-nos mansos e humildes. Esse comportamento é benéfico, saudável e acolhedor. Aos poucos a nossa realidade vai mudando, buscando uma situação melhor, mais estável em que as variações emocionais são menos rudes e menos frequentes.

Jesus nos ensinou a amar além do limite. Amar mesmo durante as mais duras agressões. Ao vulgo o ato de perdoar durante o linchamento é tolice. O sábio, porém, entende que o mal dos outros não representa o próprio mal interno.

Quando o mal se manifesta no outro, manifesta-se também em nós, mas buscando a melhoria geral da atmosfera, perdoamos em doação ao Bem, recuando às nossas próprias inclinações más.

Jesus demostrou, em todos os sentidos, que o perdão sem limites é a única forma de manifestação do amor. Quem não ama, não consegue perdoar. Cristo combateu a hipocrisia, justamente para que a sinceridade reinasse em nossos corações, porque onde a mentira impera o Espírito do Bem não permanece.

Quando se mantém os pensamentos firmes em Jesus, em parte já se subiu a montanha, esperando os duros golpes da realidade terrena, que é expectante do nosso amor. Temos a certeza que aquele que releva uma ofensa é muito mais apto a receber o reino de Deus em si.

A pureza de coração é esforçar-se até o limite, em aturar e tolerar as graves deficiências do próximo, entendendo que estas ramificações se encontram também no nosso interior. É buscando a paz e a humildade que nos encontramos centralizados na fé e na confiança em Deus. Lembre-se sempre em momentos de crise: Jesus é em mim!

Abraço,

Coronel Pillar, ex-colega no campo de batalha

segunda-feira, 16 de junho de 2014

Esperança sempre

Oi amigo,

Esperança é o único recurso que jamais se acaba. É, por assim dizer, um porto seguro. Aquele que mantém em si a esperança firme, jamais se perde no nevoeiro do desespero.

Construir a esperança em si, é tarefa árdua e delicada, que só é adquirida através de duras provações e expiações. O esperançoso é um iluminado campo de harmonia, resplandece luz clara em meio as trevas da agonia e da ansiedade.

A esperança é antídoto contra o desânimo.

A esperança é escudo contra o mal.

Quem se mantém com esperança reafirma sua fé, se mantém lutando, não se envenena a si mesmo e não permite que a multidão pessimista envenene a sua alma. Esperança é, portanto, bálsamo e consolo para aquele que sabe e já prendeu a sua origem espiritual.

Quem perde a esperança, sente-se quase que desamparado. Abala-se a moral pela distância da certeza do porvir. Aquele que perde a esperança, desilude-se com uma realidade falsa, acreditando que as manifestações ao seu redor representam a si mesmo, enganando-se dolorosamente.

A esperança evita a fascinação, porque aquele que espera a vitória confiante, jamais se considera já vitorioso.

Que a paz de Jesus resplandeça em vossos corações!

Plínio Salgado, Espírito

A paciência

O mundo externo é reflexo do interno. Ninguém consegue ser paciente se ainda não despertou para o perdão.

A paciência é virtude sublime do Espírito esclarecido. Na ignorância a paciência aparente é mera irritação. A paciência sincera é metamorfose do indivíduo que aceita a realidade como ordem divina e não como resultado do acaso.

A paciência é doação, quando o mundo material celebra o egoísmo;

A paciência é perdão, quando a moda social incentiva a vingança;

A paciência é tolerância, quando a situação desagradável solicita o revide;

A paciência é amor, quando a dor visitar inspirando o ódio;

A paciência é silenciar, quando o ataque covarde convidar ao retruque;

A paciência é renúncia, quando o econômico sugira o apego;

A paciência é abnegação, quando o entorno ofereça a preguiça.

Ter paciência é trabalhar sem parar no caminho do Bem. É amar infinitamente os espinhos que nos ferem a carne, é ser indulgente com as calúnias e as injurias que nos ferem a alma. Ser paciente é muito mais uma questão de amor a Deus do que a si mesmo.

Romualdo Pereira da Fonseca, Espírito

Rumo ao Bem

Sem tolerância não há sucesso na renovação íntima. Não existe superação sem confronto constante às imperfeições internas. O mal existe em nós, no interno, e convida sem cessar ao mal caminho e a desordem.

Perceba, porém, que você escolheu outro caminho. Esse caminho, que selecionastes com carinho, é estreito, pedregoso, espinhento, tortuoso e extremamente difícil de percorrer. Esse caminho é o caminho do amor. Ele é cercado de dificuldades, porque são muitos ainda os que não aprenderam a amar.

A lei de amor é nítida com relação aos desafios truculentos que o ser humano enfrentará, para alicerçar o perdão e a paciência em si mesmo.

Chegado o momento do testemunho, muitos recuam, acreditando que o sofrer consciente não traz nenhum beneficio. E, de fato, Deus não nos criou para o sofrimento, mas para a felicidade. Acontece que jamais vamos conseguir ser felizes se não prendermos a amar e a tolerar e, por incrível que pareça, só se aprende a amar, amando.

E só amamos em oportunidades extremas. Nas provações familiares, nas tribulações materiais, nos desesperos da enfermidade, somente nestes momentos nos é dado oportunidade de praticar o amor e o silêncio. Estamos aqui para aprender a amar. Esse é o caminho que escolhemos, amar, amar e amar.

Portanto, a pessoa que ama entende que o revide é ausência de amor. Quem ama sabe que a vingança é ódio e o afasta do amor. Quem ama se reconhece como escudo e recebe repentinas pauladas do ódio e da raiva, porque a dor termina nele, que não passa adiante. Ama mais a si e aos outros. Esquece as ofensas, sendo taxado de cínico e falso, mas mantém-se livre e flexível sem retribuir o mal com o mal, mas paga todo o mal com o bem.

Quem se ama, aceita-se como é, permite-se amar além do convencional, buscando o amparo ao outro. Esquece-se de si mesmo em detrimento do seu compromisso com Jesus. Humilha-se e rebaixa-se em brandura e humildade, sem elevar a voz, sem se preocupar consigo mesmo. Só assim consegue amar de verdade o próximo.

O progresso é muito lento, mas virá. Uma lição de cada vez, sem se apressar. É uma questão de erro e acerto e, no fim, todas as aulas serão proveitosas na escola da reencarnação.

Fica bem.
Plísius, obreiro do Senhor.

domingo, 15 de junho de 2014

Oi mensageiro,

O que querias? Estavas pensando que seria fácil? Nada disso, a luta é cada vez maior e as provas só irão aumentar. Não se ausente dos seus compromissos morais. Perdoe e aprenda a silenciar. Jamais choramingue. O desafio da mediunidade te desperta para a caridade sem limites.

Esqueça a si mesmo.

Nunca esqueça que existe uma legião de Espíritos comprometidos com a desgraça, ligados mesmo ao mal, que está a espreita, esperando um pequeno deslize para agir e destruir os Obreiros do Senhor. Ore. A perturbação em ti vai passar, mas com relação aos teus familiares somente o tempo vai amansá-los. Não te preocupes com eles, todos temos um quinhão justo de provas.

Perdoe a si mesmo.

Beba da fonte rica do auto-conhecimento, estude a si mesmo e a Doutrina Espírita, existem detalhes que vão te ajudar melhor a compreender a fraqueza do próximo. Não se perca no labirinto traiçoeiro da dor, permita-se um afastamento estratégico de corações levianos. Não se debata contra a ignorância alheia, isso é uma enorme perda de tempo. Não jogues pérolas aos porcos e afaste-se de discursos inúteis.

Ilumine a si mesmo.

A sabedoria está na aplicação das máximas que aprendestes e que ainda és aprendiz. Jamais esqueça que estamos a te proteger e te sopramos nos ouvidos os passos firmes a seguir, se ainda não escutas, é porque tua humildade ainda não está afinada conosco. Não se esquive da tormenta, temos te avisado, lembre-se que pessoas difíceis são o buril nivelador da nossa conduta. São os instrumentos sagrados de Deus para o nosso progresso.

Eleve a si mesmo.

O tempo vai se encarregar de mostrar que a paciência e a serenidade são virtudes de enorme valor, mas que sem a humildade, não trata de falsa aparência. Seja humilde e caridoso, o resto se agregará a estas virtudes. Saiba silenciar, não revide, não retruque. Mais do um dever, tu realmente não PODE fazer isso, porque Espíritos da galhofa espreitam para derrubar a missão que Jesus reservou para ti.

Com muito amor,
Apleael, teu guia amigo.

quarta-feira, 11 de junho de 2014

Iluminar-se é...

A simpatia é o ram da alma hindu. Equivale, no ocidente, ao bem estar emocional. O conforto em si que irradia aos demais.

Temos em nós a capacidade sublime de nos iluminar. Brilhando, nada nos ofusca, não estando livres portanto, de vezes e outras, obsessões que são naturais. A luz, portanto, afasta a escuridão.

Iluminar-se é tolerar quando o instinto manda reagir;

Iluminar-se é perdoar quando o instinto manda se vingar;

Iluminar-se é frear o desejo quando o instinto dita a sensualidade;

Iluminar-se é bendizer quando o instinto é favor à maldição;

Iluminar-se é querer bem quando o instinto sente ódio;

Iluminar-se é consolar quando o instinto sugere cuidar só de si;

Iluminar-se é abençoar quando o instinto desejar amaldiçoar;

Iluminar-se é sorrir quando o instinto só quer chorar.

Quando estivermos devidamente iluminados, resplandeceremos outros, esclarecendo e livrando a terra da tormenta das trevas.

Deus é com todos nós,

Carlos Roberto Guimarães, Espírito

Psicografia de Jefferson Francisco da Silva

Mãe Rô,

Estou bem. Após dormir muito, acordei no quintal do Felipe. O vô Carlos estava ao meu lado, explicando o que tinha acontecido. Eu não aceitei muito fácil.

Doeu muito ter abandonado vocês dessa forma violenta. Fui retirado das minhas coisas, sem poder me despedir, eu estava apegado. Hoje, passado alguns anos, me sinto melhor, ao menos curado da enfermidade que me contrariava a expectativa. Preciso que a Senhora confie em Deus e tenha a certeza de que estou bem melhor do que antes.

Eu tenho em minha memória tantos momentos pelos quais queria me desculpar, mas sei que o seu coração de mãe já me perdoou. Ainda estou confuso, buscando entender o sentido da vida e tentando nova oportunidade de reencarnar. Mas alguém aí na terra está relutante em me receber.

Ainda acho lindo os teus vestidos, teu cabelo me parece diferente, mas gostei. Eu te vejo chorando no quarto, sozinha, angustiada, todas as noites, e me dá desespero de não poder ajudar. Confie em Deus, acredite, eu vivo, nos sonhos, nas lembranças, eu vivo.

Só Deus sabe das dificuldades que a Senhora está passando. Tenho visto que muitas pessoas boas te cercam, com carinho e amor, preenchendo um vazio deixado. Mãe, você é linda e atenciosa, precisa ajudar as pessoas, praticar a caridade e não deixar o desânimo tomar conta do seu coração.

Eu sinto saudades do carro, da casa, até das briguinhas com meus irmãos a quem você sempre defendia com muito amor. Não se preocupe comigo, eu estou bem, a nossa preocupação agora é pelo mano.

Jefferson

Como meditar?

Muito bom dia!

A questão de hoje envolve desdobramento consciente. Quando, em dupla vista, o Espírito em carne, desloca-se algumas polegadas do vasilhame físico, permitindo um vislumbre extra corpóreo.

Bom, nesse estado de "autismo" consciente e guiado, o Espírita entra em transe, vendo e ouvindo em contato direto com o mundo espiritual. Qual seria, neste caso, o melhor momento para a prática deste desdobramento consciente? Diríamos: a discussão, a briga, a argumentação inútil, momentos em que alguém despeja-nos todo o seu lixo emocional.

Encontramos Deus na serenidade. Durante um debate improfícuo, a nossa "cara de paisagem" indica seguro controle das emoções que perturbam os circundantes. Mantendo-nos firmes durante a tempestade psíquica e nervosa, em meditação e desdobramento, nos perdemos no amor.

Adentramos nos territórios desconhecidos desse amor, onde tudo permite dar, tudo tolera e nos mantém calmos como espelhos d'água. A escuta paciente de um irmão perturbado; a tolerância caridosa de uma agressão verbal; a não reação aos descontroles alheios, deslocando nossa mente algumas polegadas do nosso vaso físico, temos aí um desprendimento temporário, encontrando Deus e nos entregando confusos ao amor de Jesus.

A luz dentro de cada um de nós brilhará mais que o sol, refulgirá e esclarecerá muitas vidas, é preciso porém deixar que ela brilhe através do auto-controle, da meditação e da serenidade.

Krishna habita em ti, hare ham.

Com carinho, Bramah Gurudev.

sábado, 7 de junho de 2014

Oração do momento

Senhor Jesus,

Louvado seja o Senhor em todos a Sua Majestade e Glória.
Sem tuas orientações, nada somos. Dá-nos a Tua humildade e mansidão, precisamos de serenidade.

Precisamos de coragem, mas receamos nos expor.
Precisamos de paciência, mas tememos a ofensa.
Precisamos de tolerância, mas esquivamos da agressão.

Ajuda-nos Senhor a suportar com coragem os desafios que Deus nos propõe, para nossa própria evolução.
Se a tentação nos perseguir, que possamos aguentar os repuxos da nossa vontade, deixando a Ti a escolha do melhor para nós, reconhecendo que diante de Ti nada somos.

Dai-nos a confiança inabalável, o amor infinito e a caridade animadora. Não nos desampare, somos falhos e novatos na tua seara.

Fica conosco Senhor Jesus, para que possamos iluminar onde haja escuridão;
Amar onde existe ódio,
Perdoar onde existe rancor,
Consolar onde existe sofrimento,
Aliviar quando existe aflição,
Instruir onde existe ignorância,

Para que possamos acabar com toda intenção de vingança e maledicência. Auxiliando como tijolos gastos, na construção da muralha de Tua obra, pequenino grão de areia, na infinidade eterna do universo.

Obrigado Senhor,

Que assim seja.

Maurício Ribeiro

sexta-feira, 6 de junho de 2014

Equilíbrio

O balanço do barco é ritmado pela periodicidade da onda no mar.

O coração aflito se acalma na doação do amor.

O martelo bate forte, mas é a cabeça do prego que dá guia ao prego.

O sucesso depende do esforço e da dedicação, sem os quais é impossível crescer.

O suor só escorre no rosto daquele que corre na direção do crescimento.

Ninguém ganha sem dor, sem dor não há ganho.

Somente as altas cargas de aflição podem exercitar o músculo da paciência.

Somente a pressão tensa da adversidade, tem condições de gerar tolerância e perdão.

Ser indulgente é ser forte, a misericórdia só existe em corações mansos.

Se te chamam de trouxa, otário, idiota... Que te chamem como quiserem, perdoa e serás perdoado.

Milon, protetor dos Atletas.

Alimente-se bem

"Nem só de pão viverá o homem, mas de toda a palavra que sai da boca de Deus" Jesus.


O Evangelho é alimento da alma. Ninguém pode ver-se forte, bem firme em sua fé, se não alimenta-se de altas doses da Boa Nova. Jesus já o advertia. Alimente-se de saber sagrado, da palavra de Deus.

Jesus, Mestre dos Mestres, usava frases extremamente bem construídas e de um significado profundo e exato. O Espírito alimenta-se com a leitura, com o saber, com o conhecimento. Quanto mais sabe e estuda, mais compreende, sendo a fé raciocinada uma forte barreira contra o mal.

Estão contidas no Evangelho as informações necessárias para superar as crises, para enfrentar as tribulações e para garantir a serenidade sem descontroles emocionais. Aurem naquele saber tradicional, conselhos de profundo alcance moral.

Devore, se assim podemos dizer, altas doses de conhecimento espiritual. Palavras que saem da "boca de Deus", de ordem sacra, comprometida com a Inteligência superior.

O profundo conhecimento dos textos sacros além de inspirar o bem, fará compreender lacunas que ainda restam para o nosso conhecimento de causa.

Ler é instruir-se. Quem não lê, permanece na escuridão.


Apleael, guia espiritual

quinta-feira, 5 de junho de 2014

Desânimo

Existem mortos por dentro, que nada mais valem, pelo peso causado a sociedade.

Entregam-se ao desânimo, desculpando-se pelo ócio e negatividade em que se satisfazem.

Afunilam seus prazeres em queixas e lamúrias sem fim. Cegos de sua própria ruína, arremessam larvas pestilentas e vibriões malignos, àqueles que os interpelam para os ajudar.

Usam a lamentação para sugar a energia alheia. Queixam-se em busca de piedade e compaixão, na esperança de aurir alguma energia salutar.

Vendo a imperícia, ou menos a negação de outrem a doar o tão necessário amor e reconhecimento, se põem na arredia defensiva. Neste instante se retraem como onça furiosa, esperando o momento do ataque doloroso.

Quando do deslize, ou falta de humildade, destila sem dó o veneno fatal. Ofende e magoa a sua vitima, arrancando-lhe o fluído que desejava, ficando bem e a vítima "sugada", "vampirizada".

É covardia sem limites.

Quanto a nós, doadores incansáveis, basta-nos orar pelos sofredores. Nossa missão é doar fluído sem resistência, para que os sofredores a recebam sem a necessidade de nos arrancar violentamente.

Somente o amor sincero pode doar incondicionalmente à criminosos, homicidas, suicidas, ladrões, mendigos, prostitutas e desafortunados.

Lembremo-nos de Jesus, que estendeu a mão à todos, sem escolher raça, credo, classe social e econômica.

Deus faz justiça através da reencarnação, basta observar.

Antenor Paiva, um amigo espiritual

Não se perturbe

Queridos,

A breve irritação freada, já demonstra certa evolução. O homem sereno ainda é um grande mistério científico. Muitos foram os exemplos de pessoas que não se irritavam, não saiam do seu eixo e, mesmo em meio as maiores provações, se mantinham calmas e serenas.

Eram calmaria, em meio a tempestade.

Estas pessoas, dotadas de uma calma fora do comum, demonstram uma serenidade paciente e silenciosa. São portadoras de uma paz contagiosa, que ameniza e acalma os circundantes. Transmitem uma harmonia por meio da paz e da boa vibração. Sorriem calmamente, não julgam, não criticam, não instigam.

São fortalezas, em meio a guerra.

Parece que nada os perturba. O segredo, dizem, é Jesus no coração e Kardec na mente. Aprenderam a resignar-se com a ignorância alheia, entenderam que o nervosismo e o desespero é perturbador de si e de derredor, por isso evitam discussões inúteis e debates inócuos.

Silenciam humilhando-se, diante do orgulho desaforado.

Cumprem a risca a lei do Amor, visto que não reagem, que não revidam, que não comentam o mal. Suas indicações remetem-se ao bem e ao futuro, pensando no melhor, ajudando a coletividade e buscando sempre consagrar com o Senhor. Eis de onde sorvem a tranquilidade que impressiona a muitos.

São brisa suave, diante da ventania do tufão.

Acalme-se. Escute. Abençoe. Jamais empreste seu verbo para a falação desprovida de sentido. Mantenha-se no Evangelho.

Valentino, protetor dos Amantes.

terça-feira, 3 de junho de 2014

Confiança

Talvez esta a palavra mais importante do vocábulo português. Ter confiança e ser confiante são marcas registradas dos verdadeiros Cristãos.

No Circo Máximo, em Roma, os primeiros cristão devorados pelas feras mantinham extrema calma, tranquilidade e serenidade. Isso, meus caros, perturbava o Imperador de maneira assombrosa.

Era a confiança em Deus e em Jesus. A certeza da vitória no Amor e na Verdade.

Diante das tribulações, as vezes, inevitavelmente fraquejamos. Seja por não suportar o trabalho, seja pelo cansaço, seja pela vaidade.

Confiando em Deus, construindo em si a fortaleza da fé, o projeto avançará mais longe, livre dos ataques inúteis do adversário.

Somente a confiança em Deus, trará serenidade;

Somente a confiança em Deus, acalmará corações;

Somente a confiança em Deus, consolará as alma.

Segue firme e confia, Deus é contigo, te protege e está no controle.

Muito amavelmente,

Visgo Lepúrio, dos jardins.

Contabilidade

Na contabilidade do Senhor, duas coisas são importantes:

O Livre Arbítrio e a Boa Vontade.

Nem sempre as coisas dão certo, mas é preciso que estejamos disponíveis ao Senhor.

Deus nos quer bem, felizes e com trabalho. Por isso respeita o nosso livre arbítrio. Escolhemos atentamente, com calma e sabedoria, sendo assim, para servir ao próximo é muito importante que:

Se estiver com pressa, desacelere;

Se estiver angustiado, acalme-se;

Se estiver irritado, controle-se;

Se estiver magoado, perdoe;

Se estiver triste, alegre-se;

Se estiver humilhado, agradeça;

Se estiver doente, cure-se;

Sensações vão e vem, sentimentos permanecem. Mantenha-se firme no sentimento e coeso nas emoções. É muito importante que ao sentir-se bem, inspire outros;

Ao sentir-se alegre, contagie outros;

Ao sentir-se feliz, console outros;

Ao sentir-se empolgado, motive outros;

Ao sentir-se saudável, auxilie outros;

Ao sentir-se abençoado, abençoe outros;

Ao sentir-se amado, ame outros.

Deus é maravilhoso, temos repetido, mas de nada serve a felicidade em Servir se não servir com felicidade.

Muita luz,

Aristides Junqueira

Irritação

Ao te sentires irritado, para e pensa um pouco.

A irritabilidade, ou capacidade de irritar-se facilmente, é sinal claro de perturbação espiritual.

Para nós, conscientes de nossas antenas receptoras, é alerta importante de perigo próximo. Sinaliza companhia que perturba, Espírito que irrita, que demonstra-se e se entrega facilmente.

Durante a irritação, silencie.

É inútil debater-se com a ignorância.

Alimente em si a paciência e a misericórdia, únicas capazes de fortalecer os alicerces do perdão e da tolerância. Mediante a dor alheia, escondida, na robusta irritação orgulhosa, cede tu e ora. Sem mais agredir, sem mais botar lenha na fogueira, sem mais provocar.

É a dor que vês, e não a brutalidade.

Observa a perturbação, jamais a maldade.

Estude com atenção e silencia sempre, a escuta caridosa é bálsamo do Senhor, aliviando as dores de quem quer que seja.

Fica em paz,

Bartolomeu, filho de Zaqueu

Os mais sublimes aprendizados

Caro mensageiro,

Temos trabalhado constantemente pelo bem comum. É importante, no entanto, que faças a tua parte.

Não existe sucesso, sem trabalho árduo. Também não existe vitória, sem batalha. Tudo passa num cenário doloroso, bem o sabemos, não é isso, contudo, motivo de desânimo.

É de fundamental importância seguir em frente. A humildade e a caridade serão guias seguros para a tua jornada. Não esqueça do bom humor e da tolerância, sem os quais, perde-se o sal da vida, o gosto de viver.

Entregar-se ao trabalho, sem exitar, é fonte fecundo de inspiração aos demais. Tudo vai dar certo, acredite.

Fica em paz,

Constantino, amigo da Esperança.