segunda-feira, 30 de novembro de 2015

Faz a tua parte

Querido amigo,

Caminhas como o vento: leve e suave, contornando as montanhas e arejando as florestas. Deslize suavemente pelas ásperas impressões mundanas. Você é! Já está tudo em você. Liberte-se do medo, último estágio para a evolução que procuras.

A ausência do medo é surge no aumento da confiança. Espíritos te circundam, todos desejam aprender. Por isso, humildade é o melhor caminho. Todos vão querer conversar e falar, o seu papel é escutar e sofrer calado.

Não empreste os seus ouvidos para a calúnia e ame sempre. Hoje estamos por cima, amanhã por baixo, quem sabe. O amor, meu caro, é a única energia que pode proporcionar alegria e paz. Primeiro porque você amando-se, ama mais facilmente os outros e, por sequencia, a Deus.

A confiança nada surge da realização da Vontade de Pai. Aquele que segue, sem medo, as determinações da Inteligência Universal, com calma e resignação, estará a um passo de encontrar-se com a sua felicidade íntima.

Reforme-se pela profunda paz íntima que há em você, largando-se definitivamente pelo desfiladeiro do amor divino. Obedeça, sem hesitar; faça, sem lhe pedirem; crie, mais e mais o seu próprio cenário, assim como pensas e falas, assim o é.

Despeço-me ofertando os votos cordiais de Paz e Amor,

José Augusto, um tio distante

 

Não deixe que te pisem em cima!

A voz do Senhor é conosco...

Deixei-a com lágrimas nos olhos. Minha velha avozinha chorava muito. Era a manhã em que eu estava indo embora, recém casado, de coração dilacerado. Uma senhora preocupada com o futuro, um neto desgastado do presente. Nos conflitos incessantes da vida, nem mesmo o alento divino e a força dos Espíritos amigos conseguem aliviar tamanha dor.

Mas o tempo consegue...

O sofrimento diminui quando estamos realmente interessados na felicidade genuína dos outros. Minha avó sofria por me testemunhar como pobre capacho que vive na deriva de gritos e emoções alheias. Ela está certa. Mas Cristo vive em mim. Buda está comigo. Krishna me guia. Osho me orienta. Shariputra me ensina. Por isso, o doce gesto da minha avó, de sentir compaixão pelo meu sofrimento, me fez refletir.

A compaixão nasce de um coração puro...

Ao relevar ofensas e perdoar injurias, sendo bom, gentil e agradável com todos. Atraio, sem dúvida, Espíritos encarnados interessados em espezinhar. Existem tantos zombeteiros encarnados quanto desencarnados. Sou grato a Deus por isso. Cristo foi esbofeteado e cuspido, sem que nenhum miligrama de toxina emocional seja movimentada no seu Sagrado Espírito.

A pureza surge de uma mente vazia...

Quem pisa em mim torna-se devedor, e o meu perdão paga as minhas próprias dívidas. Ação e reação regem meu humor, sempre alegre e de alto astral. Mas tenho consciência de que faço sofrer àqueles que veem a minha dedicação infecunda pelo próximo. Assim foi Cristo, assim sou eu.

A mortalha de carne não irá me abater...

Não ser desce muito é uma larga vantagem. O emocional vai sentir, claro. Sem se render aos descréditos volumosos do passado. Pagarei cada ceitil e, ainda mais, acumularei riquezas no Céu. Humilhando-me fazem o favor de exercitar a minha paciência. Machucando-me fazem o favor de exercitar minha misericórdia. Ofendendo-me fazem o favor de exercitar o meu perdão. Caluniando-me fazem o favor de exercitar a minha tolerância. E, assim, vão crescendo meus dotes espirituais.

Obrigado a todos os que me fazem sofrer...

Deus concede o sofrimento apenas ao que merece. O mau jamais sofre. A dor é benção que Deus envia aos seus eleitos. Obrigado! Obrigado! Claro que fico triste por ter visto minha avó sofrer, sei que foi uma comunicação espiritual. Mas fico com mais dó daqueles que fazem os outros sofrerem através de mim. Em qualquer momento, o perdão é sempre bem vindo!

  


 

terça-feira, 22 de setembro de 2015

A mágoa

A mágoa é uma emoção tóxica que surge do orgulho ferido. O ego é o responsável pela dor. Quando oscilamos emocionalmente, o ego é o mentiroso, dizendo-lhe que você é mais, que você merece mais e que deveria estar em situação melhor. O ego mente e a mente reproduz as ordens do ego.

O orgulho, o poder e a cobiça são frutos da insegurança desmedida, uma falsa e precária representação de si mesmo em sociedade. Um Espírito bom só consegue sem gentil, amável e dócil. Por mais que tente, não consegue ser violento ou agressivo porque a violência já saiu dele.

Uma alma mansa é constante e alegre, jamais se abala com a crítica ou a calúnia. Entende, sem mais, que as imperfeições humanas são ilimitadas e que ainda precisamos nos melhorar, em caminho longo, mas uniforme em direção à luz do conhecimento.

O homem rico de saber é calmo, benevolente e respeitoso, não sabe ofender e escolhe com muito cuidado as suas palavras. Usa a verdade ao seu favor e compreende que nem todos se encontram no mesmo degrau que você. Não leve adiante a maldade dos corações dos homens e deixe-os assim, sem questionar. Você fez a sua parte, da melhor maneira que pôde.

Esteja no momento presente e ame sem pensar, ame cada ser vivente, ame com intensidade e força, não se limite. Esqueça-se de si mesmo, não permita que sua falsa identidade atrapalhe o seu desempenhe no amor, ame mesmo a quem não mereça. Ame muito, essa a verdadeira prática. Lembre-se que o sofrimento só chega a quem quer realmente melhorar.

Valorize os sentimentos, lembrando que muitos dependem a tua boa forma de pensar e sentir, estar constantemente feliz é um objetivo, que jamais te abandonará quando você realmente aprender a amar. Um sábio não se permite abalar com a escuridão alheia, perdoa sempre, certo de que mais lhe será perdoado quanto mais relevar as atitudes inadequadas dos humanos imperfeitos que o cercam.

Não passe recibo de sua dor ao seu ofensor, jamais sinalize que está triste ou magoado pela ação de outra pessoa. Pelo contrário, toda alegria é perdão, alegre-se e mostre que a sua felicidade existe independente da opinião dos outros. Trata-se de um exercício espiritual: ignorar toda a manifestação do mal, não importa como ela ocorra.

Muita satisfação,


Plísius, Espírito Guia

sexta-feira, 18 de setembro de 2015

Nome no Dharma: Tathagata Shariputra

Querido e muito amado amigo, 

Já é chegada a hora do teu batismo no darma. O plano oferece o nome Tathagata Shariputra. O nome representa uma de suas reencarnações no passado e o outro representa a sua livre transcendência de ir e vir do reinos dos Devas e dos mortos em geral.

É com o coração cheio de alegria que te ofereço estes versos:

“Shariputra, numa época vindoura

tu tornar-te-ás um Buda,

de sabedoria universal, venerável,

portador do nome Brilho da Flor,

e salvarás incontáveis multidões.

Farás ofertas a inumeráveis Budas,

e serás dotado com as práticas do boddhisattva,

os dez poderes e outras bênçãos,

e realizarás a via insuperável.

Após incontáveis kalpas terem passado,

o teu kalpa será chamado Adornado Com o Grande Tesouro.

O teu mundo chamar-se-á Livre de Impureza,

puro, sem falha ou mácula.

A terra desse mundo será feita de lápiz-lázuli,

as suas estradas demarcadas com cordões de ouro,

e árvores feitas dos sete tesouros

numa mistura de cores

darão constantemente flores e frutos.

Os boddhisattvas desse reino

serão sempre firmes de pensamento e intenção.

Poderes transcendentais e paramitas-

cada um será dotado com todos eles,

e sob os auspícios de inumeráveis Budas

diligentemente estudarão a via do boddhisattva.

Então esses grandes homens

serão convertidos pelo Buda Brilho da Flor.

Quando o Buda era ainda um príncipe,

ele abandonou o seu país, abandonou a glória mundana,

e na sua encarnação final

deixou a sua família

e alcançou a via da Iluminação.

O Buda Brilho da Flor continuará no mundo

por um tempo de vida de doze pequenos kalpas.

As numerosas pessoas desta terra

terão uma esperança de vida de oito pequenos kalpas.

Após esse Buda se ter extinguido,

a Correcta Lei perdurará no mundo

durante trinta e dois pequenos kalpas,

salvando seres viventes em toda a parte.

Quando a Correcta Lei tiver passado,

a Lei Adulterada perdurará por trinta e dois pequenos kalpas.

As relíquias do Buda circularão largamente;

seres celestiais e humanos em toda a parte lhes farão oferendas.

As acções do Buda Brilho da Flor serão todas como eu disse.

O mais santo e venerável dos seres humanos será excelente e sem igual.

Deves rejubilar e sentires-te afortunado pois tu serás esse Buda!"

Ofereço a ti dedicado discípulo,

Com muito amor, 

Rajneesh, Espírito

quinta-feira, 17 de setembro de 2015

Mensagens de Luz de um Guru - Sri Prem Baba


“Se puder observar o que é transitório sem se identificar, você encontrou a saída do labirinto da mente. Utilize cada acontecimento da sua vida como material de escola que te ensina a desenvolver a habilidade de testemunhar e a equanimidade mental, que é permanecer no observador, sem se incomodar com o que está acontecendo fora – tanto na alegria como na tristeza você permanece o mesmo.” 


“Um coração puro não julga. Ele não acusa e não compara, assim como não deseja. Um coração puro aceita e perdoa; agradece e ama. Ama de forma desinteressada. Um coração puro é aquele que só observa. Ele se expressa através de uma mente equânime, pois assiste as misérias e as alegrias sem se identificar. Através dele, o fluxo de vida e de amor não é interrompido. Ele está além dos dramas e dos jogos da natureza inferior, e sempre vibra em gratidão. Ele está sempre celebrando a vida (o sol, a lua, as estrelas, o vento, as flores, o sorriso...) e tudo que se expressa através do ser humano, porque compreende que tudo é sagrado; tudo faz parte do jogo divino. Esse coração é um símbolo que representa o seu Eu mais profundo.”


“Se puder observar o que é transitório sem se identificar, você encontrou a saída do labirinto da mente. Utilize cada acontecimento da sua vida como material de escola que te ensina a desenvolver a habilidade de testemunhar e a equanimidade mental, que é permanecer no observador, sem se incomodar com o que está acontecendo fora – tanto na alegria como na tristeza você permanece o mesmo.”


"O que é vital? Tornar-se espiritual; tornar-se o amor e a compaixão; transformar-se numa prece; transformar-se numa meditação. Então, tudo que você fizer será bom. As suas atitudes serão o amor em movimento. Eu chamo isso de serviço, de karma yoga. Você coloca seus talentos e dons a serviço do amor, sem nenhum interesse. Você não está tentando mudar o seu passado - não é uma reação. Você não está fugindo de nada. Você age a partir da presença e isso serve para qualquer coisa.”


“Eu saí de carro em um dia de chuva de granizo, e o carro ficou todo arranhado. Mas, quem escolheu sair de carro nesse dia? Eu escolhi; por isso a responsabilidade é unicamente minha. Não me canso de repetir: você não é uma vítima indefesa das influências nefastas do espaço sideral. Eu sei que pode ser difícil ouvir isso, e talvez você até fique com raiva de mim, mas preciso dizer a verdade: você está onde se coloca.”


Sri Prem Baba

segunda-feira, 14 de setembro de 2015

Serenidade em momentos difíceis

Boa tarde meu amigo,

Temos pleno conhecimento das dificuldades do caminho que estás trilhando. Mediante isso, nos reunimos em Espíritos amigos, para lhe ajudar com alguns conselhos que podem ser úteis:

1. Você irá perceber a irritação surgindo, quando isso acontecer você está a um passo de vantagem do inimigo, porque o viu primeiro e está consciente de sua presença;

2. Você poderá até adoecer, mas não sucumbirá ao mal, poderá destruir os teus nervos, mas não te levará para o fundo do posso, a chave mestra: meditação;

3. Em algum momento precisará parar e descansar, mas não desanime, novas oportunidades surgirão, o caminho é árduo e nem sempre as coisas vão como gostaríamos;

4. Não se desespere, espere. Aguarde o momento certo, use o tempo ao seu favor, não se julgue ansioso demais, nem triste demais, mas saiba ponderar todas as emoções;

5. A violência do mundo o atacará constantemente, acostume-se a isso, o mundo é assim, arma de defesa: perdão e compreensão. Compreenda a ignorância e se protegerá contra ela;

6. As pessoas irão lhe ofender e humilhar, não resista a isso, deixe acontecer, não reaja. Toda reação é movida pelo ego dolorido e pelo orgulho ferido, toda e qualquer palavra que proferir será pior e agravará a causa;

7. Todo e qualquer argumento é inútil em uma discussão sem serventia, não se desgaste com o que não faz sentido. As pessoas tentarão te levar para a tempestade delas, mas mantenha-se na sua calmaria;

8. Você sentirá raiva, você se decepcionará por sentir raiva, mas conseguirá vê-la de frente e lidar com ela. O único antidoto para a raiva é a paciência, sem a qual é impossível dissipar os reinos infernais;

9. Você saberá quando está com ciúme, inveja, rancor e vaidade. Saberá distinguir a paz da tribulação e compreenderá que é melhor estar em paz do que estar certo, que é melhor estar feliz do que ser respeitado;

10. Você só irá se decepcionar se criar expectativa sobre algo ou alguém, não crie expectativas e jamais se decepcionará.

Desejamos que encontre a iluminação o mais rápido possível, a humanidade precisa disso. Ajude, ensine e não desanime. Mantenha-se firme, logo tudo fará sentido.

Muito cordialmente,

Mahavira, Espírito 

Prece Diária da Tara Verde

"A natureza fundamental de minha mente é pura.

Dentro de mim existe uma fonte inexaurível de amor, sabedoria e poder.

O propósito de minha prática espiritual é revelar e fazer contato com esta fonte.

Quando a minha ignorância é removida, surgem a compaixão, sabedoria e poder ilimitados.

É o meu condicionamento mental que limita a compreensão de quem eu sou e daquilo que posso me tornar.

Vou limpar a minha mente de falhas e desenvolver qualidades benéficas.

Assim, removo os obstáculos do meu caminho e crio condições benéficas.

Reconhecendo a interconexão de tudo,

Eu me esforçarei para ser o meu melhor

e manifestar o meu potencial de iluminação.

Sempre dedicando ao benefício de todos os seres."

Mantra Om Tare Tuttare

sexta-feira, 11 de setembro de 2015

Consciência de si

As novas formas de concepção são erradas. O mundo capitalista extermina toda e qualquer possibilidade de respirar sem ter que pagar por algo. E quando temos que pagar por algo, nos tornaram escravos do trabalho assalariado.

Acontece que o trabalho é sagrado, útil e a única ferramenta de desenvolvimento da sociedade. A exploração do trabalho é que transforma uma relação digna com Deus em estado deplorável da situação humana.

Aquele que trabalha na terra, para produzir alimento, aquele que coleta e não abusa da natureza está mais próximo da realidade espiritual de si mesmo, porque se mantém através das dádivas do que é dado por Deus.

Mas como atribuir a Deus algo tão importante, se a grande maioria das pessoas nem mesmo conhecem a Deus, não percebem, não O veem e não O sentem. Falta sensibilidade e lógica.

A grande maioria das pessoas pensa que tudo é por acaso e que tudo é feito e resultado da ação do homem no mundo. Ledo engano. O homem faz parte da natureza tanto quanto qualquer outro corpo vital.

Por si mesmo, é o mestre de si, e por isso, portador do livre arbítrio criou uma ilusão coletiva (Maia) de que está fora da natureza e que é superior a ela. Acreditam os materialistas que a natureza ali está para o servir e não para coabitar e conviver em nutritiva simbiose.

Nisso o ser humana se engana. Explora e usa desordenadamente os recursos naturais, sem se preocupar os outros e sem se preocupar com a predação que realiza. No entanto, segundo as leis que regem o universo, aquele que destrói rouba de si mesmo, jogando-o inevitavelmente nos infernos astrais de sua própria consciência culpada.

A culpa é, portanto uma chave de algemas que liberta ou aprisiona, por ser uma relação instável de si aos fluxos que a natureza impõe. Como todos fazem parte da mesma natureza, sabemos que, além do tumulto, existe um clima alegre, bem humorado e mais tranquilo.

As experiências de paz profunda são as bases de tudo, porque está na ausência da busca e no silêncio. Então surge o desejo. Todo o
desejo, que vem do querer e da tentação, tem origem no ego. O ego que é a falsa ideia que temos de quem somos só poderá equilibrar-se na percepção do que realmente somos.

O desejo nasce do ego. E quando desejamos sofremos. Porque não importa o que queremos, ou o que desejamos, Deus nos dará diferente e de acordo com as nossas obras e merecimentos. Portanto, o desejo só pode ser a origem do sofrimento.

Com amor, Gurdjieff

segunda-feira, 31 de agosto de 2015

Ensinamentos de um Bodisatva

Boa tarde amigo Bodisatva,

Você nunca conseguirá estar em dois lugares ao mesmo. Esteja onde estiver, esteja completo, de mente e corpo.

“É capaz quem pensa que é capaz.” Buda – O pensamento é a cadeia de grilhões mais forte que existe. Se bem compenetrado te levará ao infinito, mas se perturbado te conduzirá aos infernos.

“A paz vem de dentro de você mesmo, não procure a sua volta.” Buda – Tudo o que existe a nossa volta é resultado da percepção da nossa mente. Se percebermos guerra, é porque estamos em guerra. Se virmos paz e alegria em todas as coisas, é porque nossa alma está em paz e nossos pensamentos estão alegres.

“O que somos é consequência do que pensamos.” Buda – De fato, a nossa mente tem a capacidade de criar pensamentos ou de filtrar e absorver pensamentos, ideias que se encontram na atmosfera psíquica (psicosfera). Conduzem-nos como fantoche num circo para criança. Pensamentos bem orientados, saúde e prosperidade, do contrário, dominação e dependência. Ou seja, você é exatamente o que acredita ser.

“Todas as coisas complexas estão condenadas a decadência” Buda – Sim! Tudo o que é muito complexo, complicado ou truncado tende a cair no esquecimento. O ser humano é simples e aprecia coisas simples. A simplicidade reside no amor. Aquele que ama plenamente não poderia ser outra coisa, a não ser simples.

“Toda sensação de perda vem da falsa sensação de posse.” Buda – Não possuímos nada. Não somos donos de nada, nem mesmo do nosso corpo. O ser humano não pode possuir objeto algum porque é mortal. Talvez sejamos fiéis depositários de alguns bens celestiais, mas nunca donos. Sábio é aquele que trata todas as coisas como um empréstimo e as guarda e cuida como tal, consciente de que terá que devolver algum dia.

“Quanto mais coisas você tem, mais coisas você terá para se preocupar.” Buda – Cada objeto que possuímos, somos possuídos por ele. É uma via de mão dupla. Para cada interesse, um apego; para cada posse uma associação mental indissociável. As coisas que você possui, acabam por possuir você.

Por enquanto, é o que consigo auxiliar, espero poder colaborar mais no futuro.

Atisha, Um espírito búdico.

Boas vibrações pela Paternidade

Querido espírito amigo,

Despertas tu agora, de um sono profundo. Ilumina agora com a luz de um coração desperto. Estamos profundamente felizes com a tua paternidade. Receba, em teus braços, o filho amado que te será professore em inúmeros aprendizados.

Não te esquives da responsabilidade.

Receba com o amor maior, o fruto do teu Eu profundo. Oferecemos-te, pela graça do Altíssimo, um rebento digno de ti, do teu amor, da tua vitalidade. Recebe então este sagrado espírito, porque a ele ensinarás os bons passos através do exemplo.

Não te acomode ao supérfluo.

Ensina tudo e molda com o formão da sabedoria. Se for um espírito revoltoso, ensina-lhe a paz. Se for uma alma revoltada, dá-lhe os exemplos de resignação. Completa o ciclo, irmão meu, para que os que te colocaram no mundo possam descansar. Alegra-te!

Não te permita sofrer mais.

As portas da dor encontram-se completamente fechadas. Despertastes! Tua busca profunda pela paz e felicidade chegou a um ponto de profunda compreensão. Os grandes sábios se alegram por ti. Continue crescendo em amor e alegria.

Parabéns futuro papai! A espiritualidade maior se alegra com tua festa!

Ass.: Apleael, Misael, Sistrino, Rubião, Simão, Plísius, Lísias, Galael, Valentin, Constantin, Damião, Terezinha, Anastácio, Roberval, Enestor, Heráclito, Margarida, José e Augusto.

quinta-feira, 27 de agosto de 2015

Dissertação sobre a bondade

Sobre a bondade,

Tema complexo e infinitamente discutível por mentes ainda infantis. Existe um antagônico da bondade, da pureza de ser e da gentileza da alma? A suavidade dos passos do manso, a alegria do idoso, a festa da criança são como princípios ativos do amor universal. É um ato, uma cena, uma presença.

Ser bom é calar diante da calúnia. A bondade não está na ausência das palavras, mas na profunda compreensão da ignorância alheia. A árvore explode em frutos por bondade. A vaca incha o ubre de leite por bondade. A luz ilumina todos os recintos por pureza de amor e bondade.

Existe alguma vantagem em ser bondoso? Não, nenhuma. A bondade não se faz por interesse, ou por egoísmo, mas por entendimento e fé. A bondade expõe o homem ao mal; sem medo, sem culpa, por que auxilia e aprimora, estimula e motiva.

Uma alma sinceramente bondosa compartilha ideias, sensações, percepções e ensinos. A bondade é partilha amorosa de conhecimento. É aprendizado mútuo, sublime e paciente. Daí a bondade é a exteriorização do profundo amor da alma, da consciência. Aquele que sonha com o amanhã não pode ser bondoso, pois não vive no presente, não ama no agora, não se reconhece como alguém natural, normal e capaz de compartilhar a trilha de alguém.

É melhor um inimigo desperto, do que um amigo sonhador. É muito melhor uma tristeza que brota da verdade, do que a falsa alegria que surge da mentira.

O grande psicólogo humanista Carl Gustav Jung dizia: “Quem olha para fora, sonha. Quem olha para dentro, desperta.”

Lembrando sempre que toda depressão e que toda a ansiedade são filhas da ausência de presente, surgem das expectativas e dos planos futuros dentro de um grande jogo de ilusões que só agrada ao sistema.

A bondade sincera emerge com naturalidade de uma mente desperta, de um ser iluminado.

Buda disse: “Seja o que for que você espere, será diferente.”

Através da bondade de Buda, com apenas uma frase bem compreendida, ele acaba com a nossa ansiedade. Então, a bondade é mais do que palavras e gestos lançados ao vento. A bondade é na verdade um caminho que só pode demonstrar aquele que sabe o prazer e conhece as vantagens do amor em si mesmo, do equilíbrio, da segurança e da certeza da incerteza.

Para o ignorante bondade é fraqueza, para o sábio bondade é luz. Essa luz se radia e explode em sorrisos de simpatia e bem estar. É uma luminosidade incomparável, atenciosa, feliz, em que todos se regozijam com a presença. E da luz todo o restante surge: a gratidão, o reconhecimento, a humildade e a estabilidade emocional.

Era isso,

Helena Blavatsky, Espírito teosofista.

O silêncio e a escuta

O silêncio e a escuta: fatores determinantes para aprimorar a atenção.

O ser humano é impulsivo. Reage ao menor sinal de estímulo que o afete. Isso é normal e natural. Todo e qualquer ser vivo reage ao estímulo do toque, da palavra e do gesto.

O ataque ofensivo é uma reação adversa de qualquer animal acuado. Sua reação é uma resposta natural à pressão que sofre para libertar-se de algo que possa lhe ferir, esse instinto está ligado ao senso de preservação.

Quando o ser humano reage com violência, duas hipóteses surgem para explicar sua reação. A primeira está vinculada à disputa de ego e a segunda ao jogo de vaidades.

Nos dois casos existe uma espécie de medo da perda, ou um receio sinistro de os demais o perceberem menos do que é. Numa falsa impressão, qual um sentimento de inferioridade, emoção que rege as reações internas. Quando alguém ataca, movido pela vingança, está na verdade noticiando a todos ao seu redor sua percepção de inferioridade, porque necessita, através da violência, tentar comprovar que é melhor do que o seu interpelado.

Esse movimento é o mais eficaz desperdício de energia. Todos os seres humanos são iguais. A lei de Equanimidade é básica, não apenas aos homens, mas aos animais, às plantas e até mesmo às pedras e montanhas.

Se todos nós somos iguais, porque reagir? O que você é? Nós não somos as nossas posses materiais. Nós não somos os nossos títulos acadêmicos. Nós não somos a nossa família. Nós não somos quem pensamos que somos. Nós não somos o que os outros dizem que somos.

Somos, na verdade, uma consciência silenciosa, profunda e extremamente inteligente. Fazemos parte de um plano sutil, imaterial, imponderável.
Somos uma consciência liberta trilhando um curso, seguindo fluxo. Somos a inércia da ação. Somos a dor do ferimento. Somos o latido do cão e o miado do gato.

Entrando em harmonia com esse fluxo cósmico, você já não busca mais nada, apenas segue a corrente da inteligência natural. Aquele que conhece o fluxo de si mesmo, deixando-se levar, sem se debater, entra então em silêncio. Uma mente serena é silenciosa, aprendiz e tranquila, o seu fluxo mental é mais lento e tranquilo. Desse estado nasce o amor genuíno.

Por isso, escutar é a arte do equilíbrio de uma mente tranquila. Para se tornar silencioso é necessário se retirar conscientemente dessa competição do ego e dos jogos de vaidades. Simplesmente parar de jogar, sair da disputa.

Quando nos retiramos conscientemente do jogo de ilusões, do ego e da vaidade passamos a perceber um mundo mais silencioso ao nosso redor, mais quieto, mais tranquilo. E daí, nós acabamos por nos dar conta que o mundo nunca foi barulhento, mas que a nossa mente era que estava profundamente perturbada.

Erasto, Espírito.

quarta-feira, 26 de agosto de 2015

Experiência

Boa tarde,

Quando percorremos um longo caminho, aprendemos com ele, saberemos dos seus buracos, das suas curvas, dos seus obstáculos. Assim é a experiência. A experiência é o caminho. Por ela percorremos uma vida de altos e baixos, de avanços e recuos, de ganhos e perdas, de alegrias e de tristezas.

Esse, então, é o caminho. Como serpente infinita que engole o coração das almas queridas em muitas partidas e milhares de chegadas. Os frutos da experiência se colhem na árvore da intuição. Voz permanente do coração a nos dizer: é por aqui, é por ali, pule o obstáculo.

Como podemos tão facilmente nos tornar surdos para a voz da experiência? Simples. Arrogância para consigo mesmo. Como se um desrespeito pela própria história, cunhada a suor e lágrimas, mas que ignorada para que novamente siga por caminho semelhante. O melhor aprendiz é, portanto, aquele que escuta a voz do coração.

A repetição é o caminho que conduz à perfeição. Um caminho repetido é uma nova chance de aprender o que antes foi negligenciado. O olhar atento do viajor é igual ao telescópio que mira estrelas ao longe, brilho memorável de um astro que não existe mais.

O melhor aprendiz é aquele que se mantém com a mente e o coração aberto para as situações impostas pelo caminho. Assim como o bom aluno é aquele que absorve e estuda a lição, o bom aprendiz do caminho é aquele que abraça o momento, que absorve a essência do “agora”, que permanece presente, mesmo querendo estar milhas na frente.

É importante que o viajante percorra o caminho com sabedoria e que saiba aprender com os desafios da rota. Incorporando em si cada detalhe das coisas que lhe trazem dor, e das emoções que lhe ofertam um bem maior.

A experiência é um amigo oculto, está sempre a aconselhar aquele que está atento, no novo rumo, na nova estrada, pelo caminho que segue. É uma voz interna, um sinal de alerta para todo e qualquer discurso suspeito, que não levará a nada. A toda a dor, todo o ato violento que pretende evitar. Por instinto, acumulado através da experiência, o homem aprende com a vida e segue um caminho seguro.

Para aqueles que seguem o caminho, é preciso muita paciência para aprender com amor todas as lições que o caminho pode oferecer. Basta estar completamente atento, consciente e alerta, isso bastará para que todos possam absorver o suave aprendizado.

Forester, Espírito de um viajor

Comportamento correto de um Espírito em ascensão:

Para facilitar:

Um espírito que busca elevação espiritual deveria seguir algumas regras que o ajudassem a avançar mais rápido pela senda do amor. Vamos numerá-las, para melhor compreensão:

1. Jamais reclame. A reclamação nasce de um coração insatisfeito. Portanto, se quer avançar na moral cristã esteja satisfeito com o que você tem e com o que você é;

2. Jamais se lamente. A lamentação é fruto de uma alma triste. Portanto, se deseja atingir a iluminação trate de se alegrar;

3. Jamais critique. A crítica nasce de uma mente julgadora. Portanto, se deseja alcançar a luz, procure ser rigoroso com os seus atos e completamente cego para os atos alheiros;

4. Jamais ofenda. A ofensa nasce de um espírito agressivo. Portanto, se você quer chegar ao despertar da consciência, procure amansar as palavras e adoçar o coração;

5. Jamais minta. A mentira nasce de um ego inflado. Portanto, se quer subir na escala espiritual, negue-se a si mesmo, esqueça-se das suas qualidades e virtudes e não invente coisas sobre você mesmo;

6. Jamais magoe. A mágoa nasce de uma alma depressiva. Portanto, se quer realmente fugir da ignorância dos normais, nunca magoe alguém, essa atitude só mostrará aos demais o quanto depressivo (a) você está;

7. Jamais se vingue. A vingança surge de uma mente orgulhosa. Portanto, se quer seguir adiante, adote o perdão sempre, para todos os seres viventes, sem condicionantes;

8. Jamais se apegue. O apego é fruto da ignorância. Portanto, se quer independência espiritual desapegue-se de tudo e de todos, inclusive de sua personalidade equivocada ou do seu ego doentio;

9. Jamais fuja. A fuga pertence a corações covardes. Portanto, quando estiver pronto, enfrente todas as situações de frente, sem medo, sem preconceito e sem falsas concepções;

10. E, por fim, jamais se irrite. A irritação é estopim de espíritos raivosos. Portanto, quando se tornar sublime, saiba que em muitas ocasiões as pessoas irão lhe testar a paciência, até o limite; saiba que não é por querer que assim eles o façam, mas por profunda ignorância. Ignorância na qual um dia também você também esteve mergulhado.

Valores

Pode até ser um método eficaz contra o medo, mas existe um ainda mais contundente. É deixar-se envolver pelo incerto, pelo inseguro, origem de todo o medo: o desconhecido. É saber-se impermanentes de tudo, entendendo que a única certeza que existe é a incerteza, a impermanência de todas as coisas. Porque nada permanece o mesmo em si mesmo, nem mesmo por um minuto. Tudo é fluídico incerto, inseguro, essa é a única realidade.

Sentimos medo porque desejamos certeza, queremos segurança. Mera ilusão. Delírio de acreditar que possa existir algo seguro e certo, onde em a natureza, nada dura, tudo se modifica. Então, o medo desaparece quando percebemos que o desconhecido nada mais é que uma sucessão de acontecimentos no momento presente. Tudo se passa no aqui e no agora, o sabor das horas.

Jamais poderíamos prever o amanhã. Pela lógica, não existimos além do momento presente e do espaço que chamamos aqui, o restante é tudo mera e tola ilusão, criada por nossa mente ansiosa. A libertação do medo chega quando abdicamos a procura pela segurança num amanhã incerto.

A harmonia está na sabedoria do incerto, do inseguro, do desconhecido. Nada em si se conhece, não temos acesso à estrutura mais profunda das cadeias de saberes de cada evento quântico. Não somos, também, vulgar peteca a voar nas mãos da divindade. Somos iguais ao marinheiro aflito, que ajusta a vela na direção do vento, sabedor do rumo, mas sem a noção clara do destino.

É como se a dor fosse inteligente e soubesse a sua função. Por isso é muito interessante prestar atenção nas coisas do mundo, nas atitudes e nas almas que nos cercam. Quando a profunda misericórdia adentra no coração dos homens, o sentimento de esquecimento de si e dos demais, sabendo-se correto e perfeito, calmo e sábio, ilumino o coração do justo. Impedindo que em sua mente cresçam as toxinas mentais da raiva, da revolta, da inveja, do ciúme, da vaidade, do orgulho, do egoísmo.

Só supera a si mesmo quem tem coragem para olhar para dentro de si. É preciso um esforço gigantesco para perceber que somos também imperfeitos na imperfeição, e que o conjunto de todas as imperfeições torna tudo perfeito em si, no eternamente imutável que é a criação pura da causa máxima da natureza.

Cada ensinamento precisa ser experimentado. Cada conhecimento precisa ser exercitado e sentido. Um aluno que não vive o que aprende, é como escritos na areia, que a onde insiste em apagar.

É uma realidade que todos presenciamos o desejo incontrolável de não sofrer ou de não se expor a dor, como se isso realmente fosse possível numa dimensão material. É o nosso ego que nos cego, e nos impede de enxergar o óbvio, a dor é instrumento pedagógico favorável a nossa evolução pela matéria. Desde a gravidade até a fome, tudo é reflexo da dor que a matéria nos infringe, desde as mais simples insônias até as mais graves patologias.

O melhor aprendiz é aquele que permanece aberto para aprender. Sofremos porque não compreendemos a necessidade de sofrer, de estar aqui. Mas os ensinamentos são claros, e eis que vos digo toda dor é útil na evolução de cada consciência. É a eficaz ferramenta do amor de Deus, suave toque que nos recoloca no caminho.

Cada existência nova prova e, por isso a sagrada etapa de estar reencarnado, em corpo santo, para a evolução do Espírito. Retornar à Terra, em corpo humano, ofertado por Deus, é tão raro quanto um mesmo pólen ser transformado em mel pela mesma abelha, tão raro quanto uma mesma molécula de água cair em chuva no mesmo ponto que um dia caiu.

Portanto, que possamos usar a sagrada oportunidade que nos foi dada, para melhorar esse mundo de violência, para que as coisas espirituais tenham mais importância que os valores materiais: que as virtudes, sejam mais importantes que as posições profissionais; que a sabedoria seja mais importante que o salário; que o amor seja mais importante que o cargo; que o perdão seja mais importante que o carro; que a serenidade seja mais importante que a casa; que a felicidade seja mais importante que o título acadêmico; que a família seja mais importante que o sexo desvairado.

A calma é virtude preciosa no coração de quem já foi bastante acelerado para saber que velocidade só traz desgraça. Os movimentos leves e suaves, lentos e atenciosos, são reflexos de uma mente controlada, instruída e altamente adestrada.

O silêncio mental é igual a lago calmo durante a brisa do entardecer, quando o crepúsculo toca suavemente a fina lente de água tranquila, com esparsos ramos de aguapés a boiarem na lentidão da paciente natureza que a tudo rege. O sopro suave do vento é toque macio a relembrar com gratidão todos os momentos felizes que passaram, indicando um maravilhoso futuro de esperanças no trabalho edificante.

O poente avermelhado é campainha de amor a lembrar, com doçura, a todos os filhos amados que se voltam ao Pai em profundo agradecimento pela nova oportunidade de aprendizado. O estudo e o autoconhecimento fazem do platônico “conhece-te a ti mesmo” um caminho certo para a elevação dos corações aturdidos e, para isso, se faz necessário que estejamos preparados para caminhar a milha a mais; que estejamos dispostos a dar a capa e a túnica; que estejamos compelidos a amar além de nós mesmos, até que caia a mascara da mentira e da ilusão.

É um jogo, aprender a escutar e se afastar do duelo das vaidades, a dança teatral do completo delírio, em que almas precisam ser resgatadas da crença equivocada de si mesmas.

Quando o sentimento de profunda gratidão inflar a consciência de todos os seres humanos, todos serão inevitavelmente impulsionados ao amor sincero e despretensioso, ao desinteresse total de suas ações, ao devotamento irrestrito à todos os que clamam por ajuda para sair do lamaçal da ilusão. Essa gratidão pode ser sentida e inspirada, é algo muito vivo, assim como o amor, porque percebemos que muitas vezes não fomos merecedores do que recebemos e, pela misericórdia divina, mesmo assim recebemos.

Fakir, Espírito

Gratidão

Pois, é livre aquele que sabe que é livre, mesmo estando cativo; bem como é prisioneiro aquele que é livre, mas acredita estar preso. O medo aprisiona, o saber liberta. A tristeza aprisiona, a alegria liberta. Porque quando o temor nos persegue, só a coragem nos faz seguir em frente. É como se nada mais importa-se além desse imenso bem estar que é amar sem esperar absolutamente nada em troca.

Transformando-se então, numa sementeira de paz e amor, de compaixão e fraternidade, o homem que venceu a si mesmo está mais disposto a doar-se do que a ser servido. Quem sabe existe apenas um caminho. Rumo que pode ser visto em toda a natureza. Uma flor que desabrocha, uma fruta que amadurece, um jardim que explode em verde, um telhado que protege, uma roupa que aquece, um prato que alimenta, um céu azul que acalma, uma luz que ilumina, uma vontade de amar que nos faz feliz.

Olha, é uma sensação tão boa quanto o primeiro amor, o primeiro beijo, a primeira sensação de estar apaixonado, em fim, é fantástico. Como se estivesse constantemente levitando numa atmosfera de si mesmo. Um si profundo e desapegado, ligado ao universo, onde tudo parece fácil, simples e correspondente.

No perigo eminente, uma segurança, de se saber interdependente de cada objeto, de cada pessoa, de mente a mente. Um amor incomparável. Uma sensação de pureza, de se estar envolvido com algo sublime, divino, sagrado. É fazer parte de um pertencimento onipotente, onipresente e onisciente. Na sensação de que tudo vai ficar bem, tudo no seu lugar no devido tempo.

A música, então, poderá nos levar a alturas inimagináveis. Fornecerá a todos a energia salutar de doces momentos de gratidão pelas cenas do passado, sejam elas doces ou dolorosas, possibilitando abrir os nossos braços em profunda gratidão por tudo o que aconteceu.

Gratidão, gratidão, gratidão. A alma compassiva, que percebe o irmão se desvanecer em desespero em sua frente é, na verdade, grata por cada situação difícil. É devotamente agradecida por cada momento desagradável que viveu: pois se não sucumbiu, foi que aprendeu; pois se não derrubou, foi que cresceu; pois se não matou, foi que acrescentou; pois se não destruiu, foi que construiu.

São suaves sonatas de amor, quando inesperadamente és atacado por palavras violentas, incólumes e azedas, qual grandiosa oportunidade de virar a outra face, de apresentar contundente que o amor está presente em tudo, no silêncio ofertado, na mão amiga que ajuda mesmo humilhada.

De momento a momento, passo a passo, vamos aprendendo que a gratidão surge naturalmente da mente compassiva, é como um reflexo do infinito amor que habita em nós. Compreendendo as nossas imperfeições, os nossos desajustes, as nossas toxinas mentais e os nossos comportamentos inapropriados.

E olhando dessa forma só existe uma coisa que pode realmente nos fazer mal, é o desejo de não sofrer, ou o desejo de querer, se se iludir que deseja algo, apegar-se e deixar-se dominar pela vontade de possuir algo ou alguém, alguma coisa ou alguma situação. Seria igual a não deixar um poderoso rio fluir, por isso, não buscamos nada, não desejemos nada, a não ser a libertação de nós mesmos.

Daí o medo se esvai, desaparece como as carregadas nuvens que desaparecem após a tempestade, mas quem poderá ver? O profundo senso de nossa alma, o sentimento profundo do verdadeiro ser por traz da máscara da personalidade, da identidade perturbada, da mesquinhez da imagem inventada. Sem amor, sem respeito.

Contudo isso, podemos avançar, na senda do aperfeiçoamento, desiludindo-se cada vez mais, desemaranhando-se da sombra que nos cega diariamente, oferecendo ao mundo mais sinceridade, mais autenticidade e menos deslizes, menos erros, mesmo diante das tentadoras e difíceis provas do dia a dia. Nós nos construímos a nós mesmo, como fonte pura de amor e forte pulsão de presença constante.

São formas constantes de desalinhos que nos acometem a percepção do cominho perfeito. Então, consciente de que a causa de todo o sofrimento é o desejo, é preciso entender que existe um fluxo, bom ou mal, mas um fluxo que as vezes é dolorido, as vezes agradável, mas que devemos deixar passar, sem se prender demasiadamente nas curvas do rio.
Por isso, o homem sábio é caracterizado pela total ausência da busca. Não quer nada, não procura nada e não tem nenhum tipo de meta. É um ser por si mesmo, vivendo o si profundo e confiando na sabedoria do plantio de suas doces palavras.

E a calma só poderá surgir de uma mente pacificada. Assim como a serenidade só poderá surgir de uma consciência incólume e tranquila. O processo é simples, reside na simplicidade, é forte para abrir o coração e doar-se. É puro para se entregar ao comum, ao cotidiano, ao estado de arte, ao amor profundo de todas as coisas.

Sou a paz que neutraliza todo o medo,

Krishnamurti, Espírito

Paciência

Querido amado,

Parece estranho, mas o que vamos lhe repassar é uma parte dos ensinamentos que nos foram repassados na antiguidade. Observamos no mundo uma grande leva de Espíritos incapazes de se controlar diante de situações violentas e irritantes, não é mesmo? Quando a cólera se torna cotidiana e a violência no tom de vós já não fazem diferença. Pois então, existe uma violência invisível no planeta. Descobrimos muito tempo atrás, a origem desse mau fantasma e encontramos, após vários experimentos, numa pequena parte da concepção da personalidade do ser humano, chamada “orgulho ferido”.

Há uma relação direta da violência no mundo com a falsa ideia que fazemos de quem somos nós. Então, a violência não é mais invisível, descobrimo-nos como portadores fundamentais da violência. Equivale a dizer que toda a forma de interferência na liberdade do outro, é uma forma de violência. E a violência no mundo recebe a nossa contribuição, constantemente.

Somos violentos quando:

-Não respeitamos a liberdade de escolha dos que nos acompanham na vida;

-Não aceitamos as ideias dos outros como merecedora de respeito e original em si;

-Não usamos de amor e carinho nas nossas atividades de liderança;

-Não somos compassivos diante do sofrimento agonizante;

-Quando alteramos a vós por nos sentirmos contrariados;

-Quando nos amesquinhamos na timidez ou no medo do contato com o público;

-Quando displicentes;

-Quando tristes e decepcionados com alguém, sentindo raiva e ódio, endereçando mentalmente dados peçonhentos ao infeliz;

-Quando abrimos mão de calar a boca quando ofendidos;

-Quando abrimos mão do perdão quando alguém nos magoa profundamente;

-Quando mentimos para nos sentir superiores aos demais.

E veja, toda essa violência é apenas um retrato do que podemos fazer com as palavras mal colocadas, imaginem com olhares malvados, gestos desagradáveis, posturas inadequadas. A violência certamente reside em nós.

Única solução: a paciência.

A paciência é fruto de um coração pacificado e de uma mente equilibrada. Assim como a luz desaparece de tempos em tempos, encoberta por nuvens constantes, a paciência pode se fazer difícil de aparecer por entre as nuvens da nossa ignorância, mas assim como a lua sabemos que está lá.

Diante qualquer ato violento, deixe que a paciência desabroche como antídoto para a insanidade. Diante da voz exaltada, ofereça a suavidade da voz macia e equilibrada. Diante do desequilíbrio, de quem quer que seja ora ocasionado por qualquer atitude nossa, seja de opinião, de equívocos; lembre-se que os bons perdoam incondicionalmente.

Esse é um bom ensinamento. Os bons jamais criticam, jamais violam o livre arbítrio dos outros, jamais são importunos e jamais violentos. Os bons perdoam e orientam, auxiliam através da palavra doce e amiga, sem subjugar ninguém. Os bons não se permitem enervar, nem se irritar, não se desestabilizam não se perturbam não se vingam. Os bons não elevam a voz para questionar, nem mesmo para humilhar e apontar os erros. Pelo contrário, os bons amam o erro, porque sabem que é a única lição original que podemos ter sem copiar nada do sistema.

Percebendo isso, todo aquele que não atende aos requisitos da paciência e do amor ao próximo, não é bom; não nascerão maçãs de um espinheiro. Agir no bem é uma questão própria e individual, faz parte da evolução espiritual de cada um.

Todos seguirão o caminho, mais cedo ou mais tarde. Por enquanto, lutemos contra a calúnia, os venenos mentais, os comentários maldosos a quem quer que seja. Que possamos enfrentar a malevolência com a alma cheia de trabalho e amor.

Ser paciente é o mesmo que oferecer paz ao mundo, ao universo. Trata-se de um ato contínuo de amor, pois não basta desejar a paz é preciso produzi-la.

Para alcançar o estágio de um Espírito bom é preciso primeiro calar todo e qualquer comentário crítico a quem quer que seja. Depois seria necessário entender que não pudemos mudar o mundo se não mudarmos a nós mesmos. Ser paciencioso é oferecer ao universo um pouco mais de serenidade, mais calma e mais compaixão, por si só esse movimento seria capaz de enfrentar a violência em si.

Mas enquanto isso, que possamos manter os olhos atentos à nossa própria violência interna, os desajustes e as desestabilidades, conscientes que podemos abrir mão de tudo essa dor se combatermos constantemente o orgulho e o amor-próprio.

Salomão, Espírito

Ensinamentos de um Iogue

Quando chover, ao invés de reclamar do clima, contemple a criação em fluxos puros de cristalinas gotas que irrigam a terra e nutrem a semente. Apenas contemple!

A estabilidade da alma surge do silêncio, de nenhum lugar externo, mas da certeza consciente de que somos a própria estabilidade.

O despertar espiritual começa quando reconhecemos que o principal obstáculo para o avanço é a nossa própria cegueira.

Ignorância é cegueira. Falta de luz sempre dificulta o trilhar nos vales difíceis, portanto, a luz é conhecimento e a ignorância é treva escura que cobre a visão do indivíduo sobre as suas próprias impurezas.

Somos energia. Nada mais que energia. Nossas células se nutrem e se reproduzem através do fluído cósmico universal que nada mais é que energia.

Todo o fluxo energético que lançamos no espaço, retorna a nós mesmo na mesma energia e intensidade que lançamos. Tudo em função do equilíbrio da consciência cósmica.

Lágrimas são necessárias. Chorar faz bem. O pranto bem sentido é fruto de uma alma contrita e arrependida. Chorar e sentir profunda liga-nos ao universo, de maneira clara e cristalina. Chorar é a benção dos escolhidos. Quem nunca caiu em pranto profundo, jamais sentirá a presença dos seres celestiais ao seu redor.

Palavras são sagradas. As palavras tem poder. Para cada palavra pronunciada uma reação do universo. Pelas palavras nos libertamos e pelas palavras nos aprisionamos em celas sem fim de sofrimento.

Todo o ser humano precisa de um momento só seu. Pode ser uma hora, quinze minutos, ou um minuto, mas precisa viver esse momento como um espaço de atenção a si mesmo. Parar, sentar e sentir, sem permitir que nenhum pensamento invada seu espaço mental, nenhuma frase, nenhuma imagem. Escutar apenas o silêncio de si mesmo.

Humildade é o topo máximo das virtudes humanas. Parece fácil e simples, mas não é. Tornar-se humilde é um longo caminho espiritual, que muitos espinhos são transformados em flores e onde milhares de pessoas se tornam como o sândalo que perfuma o machado que o fere.

Caridade é doar-se além de si mesmo, desinteressadamente, aquele que alcança a benção de dar seu tempo e seus recursos, mesmo que os tenha limitadamente, eis este o que mais se assemelha ao sedento no deserto, que prefere morrer de sede ao ver alguém morrer de sede. Alma sublime.

Quando a tempestade chegar, inspire-se e prepare-se para enfrentá-la, não é um combate, não é uma disputa. É apenas um vendaval violento que atinge o pássaro solene em galho calmo, baixe a cabeça e espere a tormenta passar. Não se revolte. Não reaja. Use a benção do tempo e apenas aguarde a nuvem carregada passar. Simples assim.

Namastê,
Yogananda, Espírito Iogue

terça-feira, 25 de agosto de 2015

Evolução espiritual

Inegável mudança de si mesmo, Espírito imortal.

Transformar a mágoa em amor, quando a raiva não conseguir vencer o perdão.

É dar além do Ego, é mostrar cada sentimento através de palavras doces e mansas.

Nenhuma outra situação além do amor e da humildade. Conhecer os antídotos: para o egoísmo a caridade, para o orgulho a humildade.

Andar devagar, mesmo quando a pressa estressante se tornar excessivamente desagradável.

Buscar sempre o Reino de Deus (Paz Interior), mesmo quando chacoalhados por violentas tempestades.

Permitir-se amar e doar-se diante das violências das palavras, do desagradável mal estar das atitudes sombrias. É oferecer a alma aberta, exposta e disponível, para sofrer, magoar-se sem ressentir-se, sem guardar rancor.

Cada passo da evolução é marcado por turbulência. Nenhum avanço é possível sem o teste da fúria, da cólera e da irritação, ou nossa, ou dos que nos cercam.

Existe apenas um vetor no progresso da evolução e segue na direção única do amor.

Evoluir não é encher-se, mas esvaziar-se; Não é vangloriar-se, mas adotar o anonimato de si mesmo.

O despertar espiritual é acompanhado por grande júbilo. Só sabe quem lá está. É um degrau de profundo amor, apesar das tribulações do dia a dia.

Quem despertou para a realidade espiritual estará sempre feliz e alegre, por mais que dolorosas tempestades de ódio o atinjam.

Trata-se de um longo caminho de aprendizado, muitas leituras e palestras dos mestres. O caminho, portanto, é marcado pela busca. Busca que é independente de religião, pátria, etnia, credo, estado físico ou mental.

Leia tudo. Quanto mais obras clássicas da espiritualidade melhor. O importante é manter-se completamente aberto para qualquer informação que transmita um conhecimento novo.

Reconheça imediatamente que tudo é interdependente. Saiba que somos tudo, estamos em todas as coisas e todas as coisas vivas e inertes estão em nós e somos nós.

Não é porque não vemos que uma determinada realidade não existe. As formas nada representam, a essência é um universo energético interior ao ser. O universo é o ser.

Portanto, algumas regras ajudam quando começamos o caminho da evolução espiritual:

Não roube. Tudo o que você pegar contra a vontade do próximo, você terá que devolver contra a sua vontade.

Abdique da violência. Pare de gritar, ofender e humilhar os outros, toda pedra que você lança, inevitavelmente virá contra você no futuro.

Não mate. Jamais acabem com a vida de animais, plantas, ideias, criatividades, emoções. Pois para cada sorriso que você calar, serão alfinetes de amargor do amanhã.

Não critique. A opinião é sagrada. É uma crença que o indivíduo tem sobre as situações do seu convívio. Discordar, contrariar e argumentar contra alguém é tão violento quanto o desamor. Ninguém sabe tudo e a verdade a ninguém pertence.
Não minta. A mentira te amacia o ego hoje, mas te escraviza amanhã.

Seja doce, meigo e manso. Movimente-se com doçura e lentamente. Seja sincero nas ações e não se deixe coagir pelas almas que ainda permanecem nos degraus da violência.

Despeço-me oferecendo votos de muito amor,

Assinado: Espírito de uma conhecedora dos homens

Como lidar com o sofrimento

Boa tarde querido leitor,

Você deve estar se perguntando: como se livrar da dor do sofrimento? Por isso, organizei algumas perguntas e fiz aos Espíritos do Bem, através da psicografia mecânica e de EVP. Eis o diálogo:

Pergunta: Espíritos amigos, que a Graça do Pai esteja ao alcance de todos nós, obrigado por comparecerem. Podemos lhes fazer algumas perguntas?
Resposta: Amém. Sim, estamos à disposição.

Pergunta: Como podemos lidar com o sofrimento?
Resposta: Através da resignação, da humildade e da benevolência.

Pergunta: Seria possível o ser humano terminar com o próprio sofrimento?
Resposta: Sim, seria; mas não na Terra.

Pergunta: O que fazer quando estamos em doloroso sofrimento?
Resposta: Orar, meditar, abençoar e agradecer. A gratidão afasta qualquer ilusão de agonia.

Pergunta: O sofrimento seria uma ilusão?
Resposta: Correto; é uma equivocada, desiquilibrada e doentia percepção da realidade.

Pergunta: Como fazemos para sair da ilusão do sofrimento?
Resposta: Conhecendo melhor a si e a Deus.

Pergunta: Qual é a causa do sofrimento ou da ilusão do sofrimento?
Resposta (Espírito A): Medo
Resposta (Espírito B): Apego

Pergunta: Agradecemos profundamente pelas respostas dadas de bom grado, faremos o melhor para estudar e aprimorar nossos conhecimentos. Poderíamos saber a autoria dos espíritos que responderam as questões?
Resposta: Plutarco e Plotino

(Termino com o Pai Nosso)
Muita paz!

Contando com a providência

O melhor amor é aquele gratuito. Tens os recursos, é porque precisa, doa de bom grado.

Lembre-se que Jesus disse: “Minha graça te basta” (2 Cor. 12:9). Por isso, invista na profunda felicidade de ser o que se é.

Os sábios disseram: quando te procuram com lágrimas, é porque tens o lenço.

Reflete em todo o bem que podes fazer, hoje mesmo, aos que te cercam. Pensa nos sorrisos que podes produzir na árvore da vida, hoje mesmo, aos que te partilham a caminhada.

O bem que fazes, é o amor divino distribuído por tuas mãos. Só saboreia a vitória quem sentiu a dor da queda. Por isso, siga em frente, se está doendo é porque você está progredindo.

A sabedoria surge da dor. É na fraqueza que o conhecimento próprio brota. Um sentimento profundo de respeito e amor por si mesmo e pelos outros.

O equilíbrio nasce de um profundo respeito por quem se é verdadeiramente. O autodescobrimento é a luz no caminho próprio, amor profundo, paz constante de eterna serenidade.

Se lamentas os frutos colhidos;
Reflete no amor do Pai Celestial;
Busca o Reino através dos atos sofridos;
Para alcançar a felicidade real.

Com profundo amor, feliz por amar.
Heristides Fagundes, um espírito poeta.

segunda-feira, 24 de agosto de 2015

Amor desinteressado

Como sempre, é preciso dizer: além da dor, não há prazer;

O mundo é cruel, quem sente vê mais longe.

Vibrar. Sentir profundamente o ser consciente de si.

O fim do egoísmo começa com o esquecimento de si mesmo.

O começo da humildade termina na morte do orgulho. Só obtém liberdade quem conhece a violência e abre mão dela.

O mal é morador de nós, sob a forma da ignorância.

O amor de um coração feliz, alegre, não se satisfaz com relações frívolas. Ressurge na absoluta gratidão à vida.

Sublime realidade do ser, sem nem mesmo se conhecer, conhece a Deus.

Fora de controle, sem controle, sem nada controlar.

Não é o que pensa, não é o que acredita. É a essência do amor, da luz e do saber completo.

Guerra é apontar dedos. Fome é ausência de recursos. Para a guerra o perdão e para a fome pão. Para o perdão um coração aberto, para o pão uma consciência desperta.

Estabilidade do ser só existe atrás do véu da ignorância. Percorrer o caminho da paz é enfrentar ondas da imperfeição. Renunciar à guerra.
Mar calmo não faz bom marinheiro. O amor desinteressado oferece liberdade em meio à prisão.

O infortúnio que advém ao homem sábio o tornará mais sábio. O infortúnio que advém ao tolo o tornará um revoltado.

Escolhe bem as palavras, como plumas carinhosas que tocam a suave brisa do universo. Seja doce, manso, sutil. Lembre-se sem lição não há aprendizado, sem prova não à superação.

Equilíbrio é ponte inesgotável de ponderação. O descontrole é fogo a arder na pele do insensato. Quem ama desinteressadamente oferece paz.

Quem ama traz alegria e bonança. O amor é bem querença, é emoção do servir, do sentir e do compreender.

O tom das palavras é mais doloroso que o discurso em si. O que existe no coração do homem quando se comunica: a guerra, a paz?

Se for a guerra é necessário extingui-la, se for paz é preciso distribui-la.

O silêncio da mente é o melhor caminho espiritual, unido à oração, é eficaz contra qualquer mal existente no planeta.

Através da meditação, contemple;

Através da oração, trabalhe.

Se o sofrimento é fruto do impulso cármico próprio, é colheita ou destino.

Se for colheita é benção gratificante dos Céus;

Se for destino é página escrita que pode ser alterada.

Todas as coisas são impermanentes. Tudo passa e tudo pode e deve ser modificado. A vida é vazia e cheia.

Se for vazias são tranquilidade e serenidade que chega a boa hora;

Se for cheia é agonia e ansiedade, depressão e tristeza que ainda não desapareceram no vácuo dos conceitos.

Jay Ho

quarta-feira, 19 de agosto de 2015

Vidência

Boa tarde mensageiro, seja bem vindo ao plano metafísico!

Estou aberto a perguntas, seja sábio na escolha das questões, por favor.

Pergunta: O que é vidência?
Resposta: Vidência é a capacidade do ser humano, encarnado, de ver, com os olhos da alma, a realidade espiritual ou extracorpórea.

Pergunta: O vidente vê Espíritos com os olhos de carne?
Resposta: Não. Percebe através da sua faculdade de senso-percepção, desenvolvida pela glândula pineal, que o liga ao mundo espiritual ou imaterial.

Pergunta: Como o vidente vê os Espíritos?
Resposta: O clarividente não vê apenas Espíritos, percebe através do senso mediúnico, a amplitude da realidade que ultrapassa a matéria em todos os sentidos. Quando se depara com pessoas, percebe silhuetas mais ou menos luminosas, como neons azulados ou esverdeados, como se mirasse na lâmpada e desviasse o olhar, ficando na vista a silhueta da lâmpada.

Pergunta: A cor que se revela o Espírito diz algo sobre o mesmo?
Resposta: Sim, com certeza. A cor representa a vibração emocional da entidade. Quanto mais escura e acinzentada, em pior estado emocional e moral se encontra o Espírito.

Pergunta: As cores violáceas, douradas com variações belas platinadas representam Espíritos evoluídos?
Resposta: Nem sempre. Magos e feiticeiros, bem como falsos profetas conseguem recriam uma aura de bem estar, mas é magia ou hipnose, na realidade são escuros. Um médium sábio define facilmente.

Pergunta: O vidente consegue manter diálogo com o Espírito que vê?
Resposta: Quando presta atenção aos seus pensamentos, sim. Mas na grande maioria das vezes permanece no vislumbre inútil e perde a comunicação. Por esse motivo que os Espíritos preferem a audiência mediúnica ou a psicografia.

Pergunta: É possível tocar em uma aparição fantasmagórica?
Resposta: Fantasmas não existem. Sim, é possível tocar em Espíritos. Assim como conseguimos tocar nos corpos encarnados. Tudo é uma questão de materialidade e sintonia.

Pergunta: As pessoas que veem vultos são videntes?
Resposta: Nem sempre. A mais das vezes são pessoas perturbadas e amedrontadas, facilmente impressionáveis, com mentes sensíveis a criar milhares de ilusões. Por outro lado, sim. Uma parcela das pessoas que reclamam ver vultos são médiuns videntes. Sua mediunidade ainda sem educação precisa receber instrução e desenvolvimento sadio em centro espírita. É fácil definir sombras naturais de entidades, basta fechar os olhos, aperte-os, se continuar vendo, mesmo com os olhos fechados, eis a entidade.

Pergunta: Como se deve discernir a vidência da alucinação?
Resposta: Estudando. Leia o Livro dos Espíritos e o Livro dos Médiuns de Allan Kardec.

Espero ter ajudado,

Alberto, Espírito quântico

Compreender

Irmão,

Veja bem, só compreende quem ama. É impossível compreender qualquer tipo de ação nociva a si mesmo, sem amor. A compreensão é resultado de uma mente madura, de um bom coração e de um espírito em evolução. Só compreende aquele que tem para si, o outro como extensão de si mesmo. A compreensão é, portanto, o resultado visível da indulgência, da caridade, da paciência.

Deve-se, primeiro, compreender-se a si mesmo, para somente depois oferecer a mesma dádiva aos demais. Nem sempre os interlocutores estão de acordo, mas é fundamental que se compreendam entre si, isto é, que vislumbrem os motivos que cada qual se faz crer em sua posição. Isso é respeito pela opinião alheia, que só cede àquele que já desenvolveu um pouco de humildade.

É necessário então ser humilde para respeitar a opinião alheia. O debate e a discussão nada mais são do que mero jogo de vaidades. Nesse raciocínio, o vaidoso não compreende seus irmãos, pelo simples fato de ainda não se compreendido a si mesmo.

Agora um detalhe interessante,

Quem julga, não compreende, condena;

Quem condena, não compreende, agride;

Quem agride, não compreende, ofende;

Quem ofende, não compreende, magoa;

Quem magoa, não compreende, critica;

Quem critica, não compreende, amaldiçoa;

Quem amaldiçoa, não compreende, odeia.

Observe. Os bons não criticam, não julgam, não condenam.

Aí o crivo pelo qual deve passar a compreensão. Pois deparados com a crítica e com a condenação, sabemos então, logo de cara, quem é nosso interlocutor. Um bom coração jamais analisa a vida dos demais, compreende verdadeiramente, porque entende que nem a ele mesmo compreende. Isso, irmãos, é caminho para a humildade.

Plísius, Espírito Guardião

Mudar a postura

Caro,
Eis o verbo a agir, trabalhando em apoio a muitos. É importante perguntarmos o que estamos fazendo hoje pelo bem da humanidade. Estaríamos realmente aptos a colaborar com Deus em resgate dos irmãos que transitam cegos na escuridão da ignorância.

Estaríamos nós, livres de toda percepção equivocada sobre nós mesmos? O principal motivo do desequilíbrio é, sem dúvida, a perturbação causada pela ignorância. É necessário, portanto, mudar a postura diante dos acontecimentos diários.

Se nos sentimos fracos, buscamos forças na lógica do amor. Se tivermos a noção de que todo o mal gera mais mal; sabemos que todo o amor conquistará mais amor. Para abandonar a postura da auto sabotagem, precisamos confiar na providência de Deus e entender que nem tudo nos convém.

Quando a calúnia nos alcançar, que possamos exemplificar o amor através do esquecimento;

Quando a má vontade nos atravanca, que possamos motivar os retardatários;

Quando a mentira nos sondar, que possamos lançar a verdade em face, com calma e amor;

Quando a agressão verbal nos perturbar, que sejamos humanos para perdoar e relevar;

Quando a opressão moral infringir a nossa liberdade; que compreendamos os infelizes que pensam a tudo controlar;

Quando a maledicência nos testar, que tenhamos coragem e firmeza para silenciar sem hesitar;

Quando a mágoa e a ofensa nos pedir tributos de fé, que tenhamos paciência para aguardar a cura do tempo.

Em nenhum momento Jesus ofendeu a liberdade dos seus irmãos, pelo contrário, foi profundo defensor dos oprimidos. Que possamos então usufruir da liberdade, com responsabilidade e cuidado, sempre pensando no próximo, porque os outros são, na verdade, nós mesmos.

Até,

Rangel Pestana, Espírito familiar

Conselhos da espiritualidade

Querido amigo,

Ame agora. Muito amado é aquele que entende o que está acontecendo ao seu redor. Esteja no presente, viva o momento, saboreie os minutos, as horas, os momentos. Entenda o que está acontecendo, com o coração aberto. Queremos dizer que o amor e estar presente, atento, são as duas melhores maneiras de se alcançar o nirvana.

Tudo isso é amizade, compaixão. Não pode ser vendido nem dado, é somente sentido. Por isso, sinta, saiba que o sofrimento é constante. Graças a Deus sofremos. Meu amigo, o sofrimento só alcança ao homem bom, ao homem de bem, àquele que procura se melhorar o sofrimento só acessa a esses. Portanto, valorize-se. Como é bom sofrer, sentir a dor enviada por Deus. Sabe por quê?

O homem mau, aquele que prospera que tem sorte, que se favorece de tudo e em tudo, é aquele que não é beneficiado pelo sofrimento. Sabe por quê? Não merece. Exato. O homem mau não merece sofrer. Parece estranho não é mesmo?

Mas é exatamente isso. O homem mau não sofre porque não merece. Se a causa de todo mal é Deus, é lógico pensar que essa consciência cósmica jamais favoreceria aquele que se mantém na ignorância. Nesse raciocínio, só resta concluir que o sofrer é um bem. Exato. O sofrer, a dor, os momentos desagradáveis só advêm ao homem de bem, porque esse sim é merecedor.

Brilhe naturalmente. Todo aquele que sofre se compara ao diamante bruto. Recebe a dádiva do camartelo, através de incontáveis marretadas, para que possa brilhar em valor e brilho. Exatamente, a dor é uma benção que Deus envia aos seus eleitos, para que se melhorem, para que se conheçam, para que compreendam a si mesmos e olhem para si.

Sofra amando. Nisso, Deus então coloca no caminho do homem bom, pessoas irritantes, ignorantes e realmente más. É exatamente para servir de exercício e treinamento ao espírito daquele que deseja realmente e sinceramente se melhorar. Oh meu amado, olha como é linda a obra do Pai Celeste. Então, é hora de observar de maneira diferente a dor. Óbvio que sabemos que a dor é muito desagradável, sabemos sim, e sentimos muita compaixão por vocês que estão na Terra.

Aceite todos os fluxos. Mas lembre-se, o que mais explicaria essa situação, quais os motivos de tantas diferenças sociais. Como poderíamos exemplificar o amor, como? O raciocínio mais evidente é o da colheita. Pois veja, o universo é composto de energia, você é composto de energia vital, do fluído cósmico universal. Esse fluído tem propriedades bem conhecidas da comunidade espiritual interplanetária.

Harmonize-se. Quando alguém ou alguma coisa desequilibra a harmonia do universo, alguém ou alguma coisa lá fora entra em colapso. Esse movimento se chama colapso da função de onda, ou colapso quântico, isto é, você conscientemente escolhe uma das probabilidades possíveis em realidades alternativas.

Sinta harmonia. Portanto, a harmonia pessoal e espiritual é de fundamental importância quando se trata de doar. E só doamos conscientemente nossa energia de duas maneiras: perdoando e sendo caridoso. Mas perdão e caridade não seria uma mesma coisa? As duas se completam sendo a bases da prática do amor. O covarde e o orgulhoso não conseguem distribuir energia. Ao contrário, eles sugam a energia dos ambientes por onde circundam.

Vibra amor. O medo, ao contrário, vibra negativamente, manchando nossa aura tornando-a enegrecida. Através disso, vem toda a percepção do bem, do amor e da caridade. Contribuindo assim para o bem estar do mundo. Por isso o manso e o doce são corações tão buscados para o convívio de espíritos bons. Porque a bondade se sente, não é possível representar, ela é sentida.

Seja melífluo. A doçura de tuas palavras conforta muitos corações. Mesmo aqueles espíritos críticos, irritados e autoritários, são necessitados de doçura e mansidão. Mas veja, só é realmente doce, aquele que vive o amor, a paz e a caridade na sua maior acepção. Se você não é doce e puro de coração, poderá ser o melhor ator do planeta, mas jamais recriará a calma que a doçura da voz transmite.

Despeço-me com os votos de muita paz para todos,
Eurípedes, Espírito Espírita

Lidando com o medo

Bom dia!

O medo é um mecanismo de defesa. É um veículo que interage com o sistema nervoso central. Ataques de medo atingem milhares pessoas por ano. Em primeiro lugar, é preciso entender: defender-se de quê? e por quê?

Em todo o lugar que se vá, e todas as coisas que faremos, não estarão sob nenhum controle nosso, nem de ninguém. O medo é portanto, uma impressão ruim, sobre algo que não se conhece absolutamente.

Qual o motivo, então, de temer o que não conhecemos? Saborear os acontecimentos, sem tomar parte ou interferir, sentindo o fluxo da vida atravessar as correntes de energia que nos mantém vivos. Pergunte, por favor.

Pergunta: O medo existe?
Resposta: Como matéria, não. O medo é uma impressão completamente errada da realidade.

Pergunta: É possível exterminar o medo em nós?
Resposta: Sim, é fácil inclusive.

Pergunta: Como se livrar do medo?
Resposta: Conhecendo a si mesmo. Compreendendo que a nossa percepção da realidade é completamente equivocada. Toda a realidade causal que não tem por base o amor e a caridade, é condenada a se repetir a si mesma até o infinito. Só o amor liberta.

Pergunta: Então o amor é mais poderoso que a mente?
Resposta: Completamente. O amor é o único poder que o universo conhece. O restante é veneno. A mente é perigosa, serve apenas ao intelecto e aos conceitos materialistas do mundo. Você não é a sua mente. Você é o ser por traz da sua mente, dos seus pensamentos.

Pergunta: Como se livrar do medo rapidamente?
Resposta: Meditando, orando e servindo. Ame e não temerás; perdoe e jamais sentirá medo novamente.

Pergunta: Qual o mecanismo do medo ou o que nos leva a ter medo?
Resposta: Orgulho.

Obrigado!

Se não tiveres mais perguntas, me despeço cordialmente,
Heráclito, Espírito

terça-feira, 18 de agosto de 2015

Psicografia de um Espírito sofredor (carta expandida - continuação)

Falar o que estou sentindo? É um paradoxo entre o que eu realmente sou e aquilo que eu penso que eu sou. É uma sensação de estar no lugar que se deveria estar, contra a nossa vontade, mas de acordo com a vontade de Deus. Nem adiantaria me revoltar com a vontade de Deus, sei que é o melhor caminho para o nosso desenvolvimento pessoal.

Vencemos, quando desistimos de desistir. Eu não sei mesmo, se de verdade queremos vencer, acho que eu quero mesmo é ser esquecido e fazer o bem, no anonimato, sem reconhecimento, sem validação, sem aprovação. Outro será! Que vontade estupida essa minha de querer obter a todo o custo o reconhecimento dos outros. Que desejo estupido esse meu de querer sempre que as coisas acontecem de acordo com a minha vontade, para simplesmente satisfazer meu prazer. Grande erro.

Gostaria realmente de internalizar o desejo de não querer ter prazer ou aversão, mas viver de acordo com o fluxo, de acordo com a realidade, sentar e observar em silêncio. Entender até onde sou capaz, aprender constantemente com as loções da vida. Mesmo quando triste, não reclamar;
Mesmo sofrendo calado, jamais resmungar; Mesmo sendo humilhado, jamais revidar; Não passar o recibo a quem nos ofende, a quem nos quer mal; a quem não vai machucar infinitas vezes. Mas meditar sobre como atender bem o amor, como usar o nosso tempo para motivar os outros, como levar o amor e a esperança nos buracos mais profundos da miséria humana. Eu tenho o pão da vida, a sabedoria, o intelecto, eu li e aprendi, então com certeza, tenho algo a oferecer.

É preciso entender o longo caminho a percorrer e qual o caminho a seguir, é justamente a fé que vai me mover. Mas eu sou quem mesmo? Um psicótico agressivo, nervoso e bipolar? Não, negativo, eu me reconheço como um médium de alta capacidade sensitiva, clarividente, psicógrafo e sonâmbulo. Altamente impressionável, com um sistema nervoso muito sensível, afinada por séculos de aprendizado, como é afinado um violino anos antes da própria ópera.

Você pode mais, eu posso mais, junto podemos muito mais. É preciso acreditar na força que temos internamente, no amor ao universo, no amor aos mínimos detalhes da oferta de Deus. Essa energia cósmica maravilhosa causa primária de todas as coisas, que tenho sempre contato através da oração. Espíritos sofredores que atendo, agora recebem as bênçãos das escritas. O amor, em palavras, leia.

Quando a agressão doer forte, aguente que o sol ressurgirá;

Quando o pavor te paralisar, resista que as estrelas te libertarão;

Quando o ódio te enrijecer, a lua vai te acalmar e;

Finalmente,

Quando a ofensa e o descaso te perturbarem, o mestre Jesus vem te socorrer.

Não há saída, apenas um caminho se sustenta o do amor, o do amar, o do fazer e recolher. Pergunte-se a si mesmo se você é capaz de se amar profundamente, se você é capaz de amar os outros tão profundamente a ponto de respeitar a liberdade de cada um, a ponto de jamais controlar alguém ou alguma situação.

Mantenha-se inspirado e Deus lhe abençoará com a tranquilidade de um dia novo, tudo pode ser controlado, mesmo que não por você. Viva, apenas viva, aprecie a jornada e não se preocupe com nada, tudo virá a ti, não se permita abrigar o desespero nas asas da incompreensão. Quem sabe a música te liberte, seria bom não é? Mas o que realmente te liberta é a consciência afinada com teu Espírito. A caridade, a humildade e a verdadeira paciência, a caridade, a sabedoria, as virtudes humanas.

Com o tempo eu aprendo, vou aprendendo que nem todos são tão inteligentes quanto eu, que nem todos são tão bons quanto eu e que nem todos têm os mesmos objetivos. Mas eu acabo por entender que tudo é um jogo de vaidades e um jogo terrível de meras ilusões à mente. Claro que esse tipo de jogo mesquinho e desumano me cansa, mas passa, ou melhor, eu compreendo.

Eu acabo por oferecer minha compreensão e, compassivamente, entender que os burros merecem nossa orientação; os violentos merecem a nossa paz; os agressivos, a nossa tolerância; os ignorantes, a nossa luz e todo aquele que for superior a nós merece a nossa humildade e submissão, para aprendermos e evoluirmos juntos, como cooperação em sabedoria. É tão difícil abrir o coração para as emoções, as vibrações e as realidades externas, principalmente quando o estomago que não ajuda no humor da gente.

E não adianta tentar fugir, o carma me pega mesmo assim, não adianta desistir o carma me perseguirá até que eu pague a última moeda, e por definitivo, pague a minha dívida. Por misericórdia de Deus vamos seguindo adianta, sem estar sozinhos e sem desistir. Eu sei que em meu caminho vou enfrentar pessoas extremamente agressivas, vaidosas e ciumentas, sei disso, mas a elas só vou poder entregar meu amor sincero, como nunca entreguei a ninguém.

É fácil amar de volta quem nos amar, mas é muito difícil amar diretamente aquele que nos violenta pelas costas e nos agride sem dó pela frente, lançando em cara os erros que poderiam muito bem ser dele. Bom, mesmo assim, a experiência me diz tudo, me confirma cada parte da minha reflexão. Eu passei pelo mesmo processo a um tempo atrás, uma história mais suave, admito, mas não superei com humildade da dor do meu ciúme, do meu orgulho e da minha própria vaidade.

Agora que aprendi o valor da fé raciocinada, que sei que o mau só gera o mau, e que nada de bom pode surgir do ódio e da vingança, vou seguir com amor e compaixão, perdoando e relevando, porque sei que as mesmas dificuldades que eu tinha na época eles tem hoje e que assim como eu tudo vai passar e, quem sabe um dia, eles irão aprender melhor sobre a realidade da vida e das vantagens de não pisar em ninguém na triste tentação de pisar sobre outros.

Hoje talvez eu esteja mais amadurecido, conheço algumas dores que não entendia. Já sei o preço da traição, conheço a aflição da calúnia, entendo o desespero do mal praticado, compreendi que tudo aquilo que faço a quem quer que seja vem atrás de mim como um demônio enfurecido. Decidi que sou melhor que isso, que preciso seguir em frente com serenidade e amor, digo isso porque quero desabafar e contar a todos o que sinto.

Sinto-me aprisionado neste emprego, neste setor, neste corpo, mas já que estou aqui preciso tirar disso alguma vantagem para mim e para as outras pessoas, usar meu tempo para o bem, o amor e o alicerce do consolo, nas horas de lágrimas. Quem sabe ser o suspiro de um desesperado e sem alguém que real mente precise de ajuda através do socorro de outros.

Minha mediunidade me faz sentir sensações realmente maravilhosas, tais como manhãs de primaveras, cheiros sublimes, detalhes dos insetos como se fossem meus, ou uma parte de mim... É bem difícil de descrever o que vejo e o que sinto, mas de um tempo pra cá estou tentando sentir menos pessoas mortas e sintonizar mais com o universo, com as energias e as radiações de amor do infinito. É muito sinistro, mas me faz bem, me faz compreender em que tipo de ignorância o mundo está mergulhado. Tudo o que desejo é que as pessoas saiam também das trevas em que se colocaram pelo automatismo que praticam vidas mecanizadas.

Tenho medo, muitos medos, medos muito profundos, que estão enraizados, infelizmente na insegurança e na minha falta de fé, mas sei que esse medo está com os dias contados. Chegará o momento em que nem mesmo o medo profundo do mundo me fará deixar de ser quem eu realmente sou, por isso preciso melhor e provar para o meu medo que sou melhor e mais lindo que ele, que sou mais agradável e amoroso, que sou a energia pura do universo.

Eu sei que o espaço é limitado, mas que minha alma habita o amor que estiver a disposição, no meu interior, só eu sei o que e como sinto. Uma pré-ciência de tudo, de cada movimento, de cada ação. Eu sou. Eu sou uma calma tão poderosa que pode derrubar quantas montanhas permanecerem na minha frente. Eu sou tão sereno que nem mesmo as brisas mais suaves são tão serenas quanto eu, nem mesmo em luas cheias de doce prateado em lagoas cristalinas e espelhadas.

Não é presunção, eu juro. Mas sei que eu sou, e sou com todo amor e menos angústia, com muito perdão e bem menos rancor. Eu sou o silêncio. Sou a trava na língua do mais eloquente orador. Preciso ser, para saber que eu sou; eu sinto e vejo a Deus sob todas as formas de amor e, por isso, eu sou.

Nenhum sistema nervoso vai falir, vai sucumbir ao poder da minha calma, porque Eu sou a Calma, eu sou a calma em pessoa e em espírito, a tranquilidade eu sou, me sinto calmo e amoroso, não existe outro caminho. Minha ansiedade em mim não encontra espaço porque eu sou o futuro certo, a escolha correta, a trilha verdadeira, não tem como errar.

Você não precisa se acalmar, entende? Porque você é a calma e o sossego. Relaxe. Tudo que há em você é sabido de longa data, uma gratidão profunda. Você é todo gratidão, e a alegria de viver só pode vir de uma profunda gratidão ao universo e ao coração de Deus, continue evoluindo. É muito bom estar bem, não é? Você é o bem! Eu sou o bem em todas as formas, completamente acessado pelo amor dos céus, somos a deliciosa dádiva da paciência, simplesmente por que somos a paciência.

Eu sou o amor, eu sou a paz, eu sou a calma, eu sou a saúde estomacal, eu sou o conforto psíquico, eu sou o desapego, eu sou a tranquilidade, eu sou a serenidade, eu sou o profundo sentimento de felicidade que surge por todo o teu corpo astral quando estás profundamente concentrado no vazio.

Tudo o que tenho eu te dou. Pronto é teu. Quer meu conhecimento, é teu. Quer um pouquinho das minhas virtudes, te dou mais que a metade. Viu, te amo, que mal a nisso, te amo muito. Por isso pegue tudo, leve e solto, conduza a ti mesmo a outras sintonias mentais, desvie de todo o mau. Permita-se, além disso, tomar um bom chá e uma broa de milho, não se envergonhe de ser você mesmo. Tudo isso fará sentido, relaxe.
Lembre-se: a vergonha e a timidez de ser autêntico e ser quem se é realmente brota do orgulho e da presunção. Você não precisa disso, pode ser feliz como é, e ser como é. Tornando-te aquilo que és.

Psicografia de um Espírito sofredor (carta expandida)

Eu gostaria de poder gritar a todo o universo o tamanho da minha insatisfação, o tamanho do meu desconforto. Não sei por que me sentir assim nem como cheguei aqui, mas a situação é bem complicada pra mim.

É uma mistura de não querer ser egoísta, nem orgulhoso, um conjunto de muitas coisas, uma mágoa que nunca passa; um desespero que nunca acaba.
Talvez eu esteja tentando algo que não dê realmente certo, que não exista ou não funcione. Sinto-me muito só, mesmo tendo a sensação de estar cercado por milhares de pessoas. Às vezes até quando eu saio para caminhar, parece que as pessoas me seguem aonde quer que eu vá.

Como gostaria de chorar sem parar, de gritar muito, de me jogar contra o mundo, de dizer o quanto me sinto mal com qualquer situação. Parece que é sempre um ataque de nervos, sempre doendo e irritando, mas quando de verdade me perco, tento me achar, mas nada.

Eu preciso de ajuda, por favor, eu sofro muito, assim como milhares que vejo ao meu lado, é doloroso de mais viver assim. Só quero sumir, desaparecer, nunca mais existir, mas não adianta Deus não deixa, por mais que eu tente, sempre vou existir e isso é o mais frustrante. É muito ruim saber que não se pode deixar de existir, que somos infinitos e eternos, é mesmo uma desgraça, principalmente para quem não quer mais viver, quem não quer mais... Nada mais.

Preciso de ajuda, porque não aguento mais, por onde eu olho vejo pessoas profundamente iludidas, vivendo um sonho de tristeza e decepção. O peso na minha alma é tão grande que parece que está constantemente me pressionando, me apertando, me sufocando.

Gostaria de possuir mais tempo, mais amor, mais tranquilidade e mais serenidade, mas não consigo. Mesmo com a consciência limpa e tranquila, me sinto oprimido por esse mundo de contradição competitiva. Sinto-me ofendido com tanta violência, com tanto orgulho, tantas demonstrações de poder babaca.

Sim, eu sofro e me revolto, me dói toda a maldade, a crueldade, as palavras cheias de veneno, a mágoa engolida, a dor no peito, a falta de afago e carinho. Isso tudo me deixa muito triste, não existem formas mais alegres de falar. Tudo parece fazer parte de um teatro falso e muito feio, na escuridão ninguém quer se levantar e fazer diferente parece que estou sozinho em qualquer investida de fazer melhor, de fazer o bem.

O sofrimento é constante, por mais que eu tente me livrar desses compromissos, dessa vida de vitrine, nada mais me deixa tão triste quanto viver num mundo programado, controlado, tipo receita de bolo, não suporto que alguém esteja me controlando, me guiando, me mandando, me chefiando, é terrível a sensação de ser oprimido. Ótima lição que aprendo para nunca mais oprimir ninguém, nunca mais na minha vida dar ordens ou mandar em alguém, não jamais.

Jamais vou tentar controlar alguém novamente, quero distância disso. A liberdade do ser humano é sagrada, nunca deveríamos transgredir na lei da liberdade e do trabalho saudável. Ai daquele que peca nisso, coitado, não sabe o que lhe espera, por isso peço por ele perdão a Deus.

Sinto-me muito cansado, esgotado, triste e extremamente frágil, como se todos me criticassem ao mesmo tempo, como se tudo ao meu redor ruísse de ódio e nervosismo. Dói tanto, é triste, a dor da decepção, do contraditório, de todo o esforço sem reconhecimento de nada nem de ninguém. É. Talvez seja mesmo a hora de parar e pensar, alguma coisa deve estar dando errado, o material ou o espiritual, ou o nada, o vazio.

Talvez eu precise de apenas uma chance, para voltar ao normal, voltar ao trilho do perdão e do arrependimento, quem sabe um dia amar mais, me amar melhor, conquistar o que não tive a chance de lutar. Eu queria poder revidar sempre o ataque, ser realmente um vingador, ser alguém que faz a diferença, que é temido. Mas logo em dei de conta que as trevas não são o caminho logo me deu conta que ser temido não é o mesmo que ser respeitado.

Pior que o mal não faz sentido em si, não é elemento em si, mas força que só causa mais desgraça. Talvez o ser humano não tenha outro caminho a não ser fazer o que é melhor para si, para a comunidade e para os demais. Não sei tudo parece ingênuo e insensato. Mas sei que o mau não é o caminho, na verdade sei que também só causa mais dor. Eu só queria viver uma vida plena, sem buscas, sem objetivos, sem perseguições a ventos e sombras, queria poder me respeitar e lançar em mim a luz de me manter em silêncio.

Com relação a Deus... Eu sinto, sinto Deus muito forte em mim ao meu redor, nas ações, nas conversas nos atos, nos acontecimentos e nas ações da natureza. Inteligente fundamental de todos os seres, todas as ligações. É impressionante, Deus é mesmo maravilhoso. Mas Deus não tem nada a ver com isso, eu é que ainda sou apegado, egoísta, orgulhoso, invejoso... Tenho em mim um milhar de defeitos que não consigo fazer desaparecer em mim.

Mesmo com todo o esforço, parece que não tem como, as pragas dos meus defeitos me perseguem, estão em mim. E como é ruim a certeza de saber que foram os meus defeitos que me fizeram e que me fazem sofrer tanto assim. Gostaria muito de puder mudar isso, com fé, com amor, mas internamente estou um bagaço.

Não consigo mais lutar contra mim mesmo. Parece que não consigo expurgar a mentira, o engano, o trauma, o ciúme, a raiva e o ódio. Sei que estão dentro de mim, sei que são germens esperando apenas uma única ocasião para explodir. Uma única oportunidade e lá se vai todo o esforço do meu Espírito. É mesmo uma desgraça.

Os Bons Espíritos me ajudam, claro, estão sempre ao meu lado me consolando e apoiando, mas o problema não é eles, pois são perfeito, o problema é o meu coração endurecido que não se abre nunca e ainda por cima estoura meu estomago, fulminado em gastrites e úlceras infernais.

Essa realidade que eu crio, é como um esgotamento de mim mesmo, uma babaquice, como tantas outras que demonstram quem eu sou, um babaca fraco. Alguém que deseja conquistar o mais alto grau das virtudes, a humildade, será? Quem sabe um Espírito bom, alguém que está apto a evoluir e a pensar junto com a humanidade, talvez seja muito importante manter a distância dos que nos querem mal, não sei, o perdão seja melhor, quem sabe.

O que seria de mim sem a persistência? Tudo o que conquistei até hoje, ou seja, a vontade de não querer conquistar mais nada, foi me dado pela persistência, sem inspiração nada acontece. Esperança, palavra bonita, cheia de luz, mas que é tão difícil entrar num coração magoado e entristecido. Angustia faz de mim gato e sapato, mas faz mesmo. Brinca comigo, me domina, me esculacha e me deixa como um retardado olhando para trás.
Mas e Deus? Meu deixa ser esse louco ansioso até que eu aprenda o valor da paciência e do amor. Talvez e felicidade seja apenas um frasquinho de perfume barato e vazio, jogado no lixão da desilusão e no chamado para a realidade, cruel, mas verdadeira.

Os aromas, os insetos, as luzes da manhã, tudo, absolutamente tudo adquire um novo e perfumado sabor quando o nosso desespero recebe o mesmo fim que nossa alma, o vazio, o vácuo e infinitamente incoerente. Quantas vezes eu gostaria de estar presente, mas sou arrastado para o passado, assim como uma carroça arrastada por um cavalo crioulo bem alimentado.

Eu quero, mas desejar não é uma boa escola, ser melhor do que era, sem infinitamente menos desrespeitado do que sou por mim mesmo. Assim como uma bola de fogo em meu estomago, só quero me livrar de tudo o que me faz mal, mas como? Sendo sempre bom? Pregando sempre o bem? É muito estranho, percorrer um caminho que traz a felicidade para todos os outros. Somente para um dia me flagrar que tudo que aos outros eu fizer a mim mesmo fiz.
Daí as desgraças da prisão do livre-arbítrio. Infinitamente livres para plantar, mas eternamente prisioneiros de nossas sementes, que germinam sem piedade e sem a menor misericórdia. Eu gostaria muito de ter sabido de tudo isso muito antes, a sabedoria dos sábios, ainda tenho tempo, será? Chorar litros, para a purificação da alma, é sempre um bom remédio. No desespero da escuridão, só existe um caminho, o auto perdão, a compaixão de si mesmo, pegar leve com quem realmente importa, eu mesmo.

O egoísmo, pior armadilha do caráter humano, é na verdade o mais profundo aprisionamento do Eu, ou de quem eu pendo que sou o que é muito triste. Visto que o “Eu” é apenas a ilusão do que eu penso que sou, nada melhor do que perceber a extensão da minha ignorância e declarar, sem medo de errar, que a ignorância é o que me faz sofrer, o que me faz triste. Aqui no além é como se nada do que fizemos importasse, nem os títulos acadêmicos, as honrarias do governo, as glórias do dinheiro, nada, absolutamente nada.

O importante, digo com ampla certeza, é não cair na falsa sensação de prazer e de aversão, percepções traidoras que nos fazer cair e corromper, pensar e falar, sem nem mesmo ter uma chance de respeito. Mas porque desejo tanto ser respeitado? Será que é o orgulho ferido gritando do fundo do meu estomago ulceroso? A plena felicidade só se vive através a completa e firme negação de si mesmo. Que pena, deveria ter prestado mais atenção em Jesus.

As pessoas ao meu redor não param nunca, não cansam de se movimentar. Eu? Só desejo me ausentar de toda mobilidade. Quero orar sem presunção, agradecer sem orgulho e presunção, louvar se dor, perdoar sem ressentimentos. Olhando assim para mim, vejo o quanto eu estou atrasado na minha reforma íntima, deveria pensar melhor, sentir mais, amei menos?

Eu imagino um dia em que todas as palavras que sairão da minha boca, serão palavras de amor, benções e esperança. Profeta da alegria, da esperança, do amor, da compreensão, da caridade e da compaixão. Eu me concentro profundamente nas estruturas do amor, do calor e do sentimento. Cansei de emoções perturbadas e mágoas sem fim, cansei de pouca importância e de lares feridos. Cansei da falta de fé, da ausência da busca de mim mesmo.