segunda-feira, 30 de novembro de 2015

Faz a tua parte

Querido amigo,

Caminhas como o vento: leve e suave, contornando as montanhas e arejando as florestas. Deslize suavemente pelas ásperas impressões mundanas. Você é! Já está tudo em você. Liberte-se do medo, último estágio para a evolução que procuras.

A ausência do medo é surge no aumento da confiança. Espíritos te circundam, todos desejam aprender. Por isso, humildade é o melhor caminho. Todos vão querer conversar e falar, o seu papel é escutar e sofrer calado.

Não empreste os seus ouvidos para a calúnia e ame sempre. Hoje estamos por cima, amanhã por baixo, quem sabe. O amor, meu caro, é a única energia que pode proporcionar alegria e paz. Primeiro porque você amando-se, ama mais facilmente os outros e, por sequencia, a Deus.

A confiança nada surge da realização da Vontade de Pai. Aquele que segue, sem medo, as determinações da Inteligência Universal, com calma e resignação, estará a um passo de encontrar-se com a sua felicidade íntima.

Reforme-se pela profunda paz íntima que há em você, largando-se definitivamente pelo desfiladeiro do amor divino. Obedeça, sem hesitar; faça, sem lhe pedirem; crie, mais e mais o seu próprio cenário, assim como pensas e falas, assim o é.

Despeço-me ofertando os votos cordiais de Paz e Amor,

José Augusto, um tio distante

 

Não deixe que te pisem em cima!

A voz do Senhor é conosco...

Deixei-a com lágrimas nos olhos. Minha velha avozinha chorava muito. Era a manhã em que eu estava indo embora, recém casado, de coração dilacerado. Uma senhora preocupada com o futuro, um neto desgastado do presente. Nos conflitos incessantes da vida, nem mesmo o alento divino e a força dos Espíritos amigos conseguem aliviar tamanha dor.

Mas o tempo consegue...

O sofrimento diminui quando estamos realmente interessados na felicidade genuína dos outros. Minha avó sofria por me testemunhar como pobre capacho que vive na deriva de gritos e emoções alheias. Ela está certa. Mas Cristo vive em mim. Buda está comigo. Krishna me guia. Osho me orienta. Shariputra me ensina. Por isso, o doce gesto da minha avó, de sentir compaixão pelo meu sofrimento, me fez refletir.

A compaixão nasce de um coração puro...

Ao relevar ofensas e perdoar injurias, sendo bom, gentil e agradável com todos. Atraio, sem dúvida, Espíritos encarnados interessados em espezinhar. Existem tantos zombeteiros encarnados quanto desencarnados. Sou grato a Deus por isso. Cristo foi esbofeteado e cuspido, sem que nenhum miligrama de toxina emocional seja movimentada no seu Sagrado Espírito.

A pureza surge de uma mente vazia...

Quem pisa em mim torna-se devedor, e o meu perdão paga as minhas próprias dívidas. Ação e reação regem meu humor, sempre alegre e de alto astral. Mas tenho consciência de que faço sofrer àqueles que veem a minha dedicação infecunda pelo próximo. Assim foi Cristo, assim sou eu.

A mortalha de carne não irá me abater...

Não ser desce muito é uma larga vantagem. O emocional vai sentir, claro. Sem se render aos descréditos volumosos do passado. Pagarei cada ceitil e, ainda mais, acumularei riquezas no Céu. Humilhando-me fazem o favor de exercitar a minha paciência. Machucando-me fazem o favor de exercitar minha misericórdia. Ofendendo-me fazem o favor de exercitar o meu perdão. Caluniando-me fazem o favor de exercitar a minha tolerância. E, assim, vão crescendo meus dotes espirituais.

Obrigado a todos os que me fazem sofrer...

Deus concede o sofrimento apenas ao que merece. O mau jamais sofre. A dor é benção que Deus envia aos seus eleitos. Obrigado! Obrigado! Claro que fico triste por ter visto minha avó sofrer, sei que foi uma comunicação espiritual. Mas fico com mais dó daqueles que fazem os outros sofrerem através de mim. Em qualquer momento, o perdão é sempre bem vindo!