sexta-feira, 25 de novembro de 2016

Notícias de um médium

Olá amigos da espiritualidade!

Espero que estejam bem, ou melhor falando, cientes que a ignorância é o mal por si. Eu estou em viagem de serviço pelo Paraná, por isso não estou conseguindo atualizer diariamento o nosso blog.

E vocês, amigos médiuns, como tem passado? Eu penso muito em vocês, em tudo o que compartilharam comigo e as vezes sinto uma leve culpa de não poder estar tão ao lado de vocês como eu acho que deveria.


Foto com animação

Bom, deixo meu forte abraço pra vocês, saibam que daqui a algumas semanas já retorno a postar as psicografias de costume.

Tudo de bom a todos!

sexta-feira, 4 de novembro de 2016

Conformismo

Bom dia queridos leitores,

É o médium quem aqui vos fala. Hoje é um dia muito especial para mim, é o meu último dia como contrato temporário na Universidade que venho trabalhando a exatos dois anos. 

Por outro lado, sair da zona de conforto e entrar nessa deliciosa transição de momento é sempre excitante para todos nós, corações que não se conformam.

É disso mesmo que trata esse post: conformismo. Você está conformado com a situação em que está? Tem saboreado a vida e amado o que faz?

Sempre fazemos essa pergunta clichê, mas que no fundo nos auxilia e muito em estabelecer compromissos conosco mesmos.

Foto

Vou poder finalmente fazer meu retiro espiritual, dar mais atenção aos meus amados, criar ambientes inéditos de trabalho.

Quero compartilhar com vocês um aprendizado interessante. Na medida em que avançamos, as experiências que ficaram no passado se distanciam do nosso campo cármico.

Mas como experienciei isso? Ao terminar meu tempo de contrato temporário, busquei empresas que trabalhei no passado, e a reação daqueles que antes eram meus colegas foi surpreendente.

Além de exigirem mais de mim, queriam tudo, queriam o melhor. Foi estranho, pois eles queriam alguém que não existe mais.

Eles queriam o mesmo profissional que conviveram a 5 anos atrás, na sua melhor versão. Mas em 5 anos eu mudei muito, melhorei em outros aspectos, segui outros caminhos, fiz outros cursos.

Essa lição me fez entender que as pessoas que te conheceram no passado, não te conhecem mais.

E elas vão exigir de ti as mesmas coisas que exigiam antes.

Te julgarão e avaliarão pelo que você era quando esteve junto delas.

Mas esse é o maravilhoso caminho do Dharma. Ele avança, evolui e o que ficou para trás é por que deveria ficar.

Ao terminar suas questões cármicas e fechar o ciclo, é bem interessante que procuremos algo novo. Buscar algo totalmente inédito para nós.

E ao responder o e-mail dessa antiga aliança, observando a reação das pessoas, eu agradeci feliz, me coloquei humildemente como beneficiado e disse com todo o coração que agora era outro momento, outra realidade.

Foto

Então, foi um aprendizado marcante para mim. Se você está com dúvida do que fazer,  acredite, voltar ao passado não é uma boa escolha.

O que passou, passou.

Quando avançamos nas nossas leis verdadeiras, no nosso Dharma, vamos entendendo que diferentes processos de compreensão do cosmos também influenciam as nossas escolhas.

Veja o que Ghiridari Das diz a respeito:


Avance, não importa o que aconteça, avance. Suba um degrau, vá em frente, terá tempo para tudo e lugar para tudo.

Assim como voltar ao passado não é uma boa, botar a carroça na frente dos bois também é complicado. Não pense que as pessoas lhe respeitarão, ou lhe conhecerão, só porque a fase é outra.

É importante entender que você nunca será o mesmo, passe o tempo que passar, sempre aprenderá algo, é para isso que está aqui! 

Evoluir!

Namastê!


quinta-feira, 3 de novembro de 2016

Acolhendo a responsabilidade

Olá meu amigo!

Existem momentos que exigem de você mais do que ação, mais do que atitude, exigem coragem.

Nessas horas tudo nos ocorre em pensamentos ruins, momentos em que perdemos a direção, nos sentimos fracos e impotentes, crises de desânimo que frequentemente estão relacionadas com:

- Doenças;

- Despedida de entes queridos;

- Traição conjugal;

- Moléstias afetivas;

- Crises existenciais;

- Violência (doméstica e pública);

- Conflitos profissionais.

Foto

No entanto, se pensarmos bem, em situações tão complicadas e difíceis, é realmente doloroso aceitar a responsabilidade e resolver "os problemas".

De qualquer forma, o sofrimento ou "dukka" como Buda descreveu, merece atenção plena ou mindfulness que é a aceitação da realidade assumindo a inteira responsabilidade por qualquer situação.

Os mestres aconselham, ainda, que não devemos apenas assumir as responsabilidades das situações adversas, mas acolhe-las com amor e carinho.

Isso significa que tomar consciência de sua responsabilidade na criação da sua própria realidade é fundamental para a sua paz interior e felicidade.

A liberdade definitiva será desfrutada somente após cada indivíduo se tornar maduro o suficiente para com calma resolver as suas pendencias físicas, emocionais e espirituais.   


A maravilhosa matriz mágica da nossa mente se satisfará com as escolhas que tomamos, desde que o sentimento de acolhida aos desafios seja sincero.

Evita-se, com as escolhas conscientes, tribulações cármicas de centenas de anos. Por que assumindo a responsabilidade estamos optando por olhar para dentro de nós mesmos, saímos do processo de vitimização e paramos de jogar a culpa no outro.

Além do plano extrafísico, a escolha por resolver nossas próprias mazelas nos tornará mais forte para o futuro, quando poderemos reunir mais forças para melhor enfrentar "o mundo".

Namastê,
Amém,
Que assim seja. 

No prazer do agora

Quantas são as distrações hoje que nos raptam do doce momento do agora?

São tantos os estímulos mentais e emocionais que, na grande maioria dos casos, ficamos perdidos num turbilhão de informações, dados e diálogos paralelos.

A mente despreparada vive num joguete entre o passado e o futuro, sem conseguir permanecer nem sequer alguns instantes no presente momento. 

Foto

É um paralelo, em que espíritos de todas as matizes, sondam as chagas da alma. E no mesmo momento em que pensamos numa memória dolorosa, lá estarão eles farejando a dor, o ódio e a vingança.

Então por que viver de passado?

Da mesma forma, que nos encontramos ansiosos com o futuro, carregado de preocupações com o amanhã, projetos e planejamentos que queremos muito que deem certo. Assim, igualmente, espíritos de todas as direções virão pelo faro da ganância, da ambição, da concorrência e da competição.

Então por que sonhar com o futuro?

Sabemos que, por ordem cósmica, nada do que imaginamos ocorrerá da mesma forma que sonhamos. Somos paquidermes de uma savana seca, amarelada pelos tons de velhas emoções.

Foto

Mas e se criarmos novas emoções aqui e agora?

Exatamente, estaremos plantando belas sementes que logo se tornarão frondosos arbustos esverdeados e floridos.

Não viva de TV, viva a vida, como a vivem na TV.

Aventure-se.

Viaje. Faça trilhas.

Aproveite cada dia iluminado de sua vida, nem que seja ficar relaxado descansando em casa, mas faça com que cada momento valha a pena.

Tudo o que você precisa é abrir mão do seu passado, perdoando-o e aceitando-o tal como foi, para que possa deixá-lo lá, bem atrás, onde ele pertence.

Ficam os aprendizados.

Tudo o que você precisa é parar de sonhar, de imaginar acontecimentos, e deixar com o que o futuro cumpra o seu papel de lhe surpreender, de lhe agradar tal como lhe é peculiar, de lhe trazer todos os frutos que você plantou lá atrás.

Deixe que lhe surpreenda.

Enquanto isso, sinta-se amado pela malha cósmica, que te sustenta, assim como você a sustenta em troca do seu bom esforço.

Namastê!

Egídio Milardi, Psicografia de um espírito da meditação

quarta-feira, 2 de novembro de 2016

Finados

Você acha que seu familiar realmente morreu, não é?

Você associa sempre a memória do amor que ele lhe prestou àquele corpo que se decompôs?

Você está equivocado!

O familiar que partiu não era o corpo. Aquela forma física era apenas o seu veículo de manifestação.

O Espírito consciente não morre nunca, é eterno e estável. É o observador que manipula e dirige o veículo corpo, cujo qual nesse feriado você homenageia com flores.

Lhe digo mais: uma doce memória embalada em sentimento de gratidão, seria uma oferenda muita mais agradável aos mortos, do que flores vazias de sentimento.

Não pratique o ato, sem possuir um sentimento sincero de amor e gratidão.

Você sente saudade. E a pessoa que abandonou o corpo de carne sabe que você sente. Mas pense, se você é a vida, a pessoa também não sentiria saudades?

Nesse dia de Finados, ofereça ao seu parente que faleceu uma memória agradável, de algum acontecimento agradável que você teve prazer e alegria.

Essa doce memória será milhões de vezes mais agradável do que falar dos defeitos do parente morto, não concorda?

Portanto, veja, sente-se quieto e medite a respeito das boas memórias da pessoa que partiu. Com certeza fará uma grande diferença e a pessoa se sentirá devidamente homenageada.

Outra coisa importante do dia dos Finados: lembre que você vai morrer.

Foto

Pense sobre a sua finitude, sua morte e o tempo relativo que lhe resta de vida.

Pense.

Pense.

Imagine que nada do que lhe prende ao que não lhe faz bem, está te roubando um tempo precioso de aprendizado.

Foto

Você é livre para ir onde deseja. Inclusive para amar o tempo que lhe resta antes da morte. Acredite, você se arrependerá de tudo o que não fez, quando lhe deu vontade de fazer.

Bom feriado de Finados a todos!


terça-feira, 1 de novembro de 2016

Coração amoroso

Bom dia queridos confrades,

Foto com animação
Vejam, não há o que temer. A realidade é uma só, a verdade plena tem sua base máxima no aqui e agora.


Quando você está em si, percebe que não existe nenhuma ideologia, nenhum "senso comum" que o dominará.


Engraçado como nos distanciamos do que é importante! Você tem se perguntado o que realmente importa? 

As respostas serão sempre encontradas na ausência de conflito. Mas como terminar com décadas de perturbações em nossa mente, sem nos ressentirmos com o que aconteceu ou com quem nos magoou?

Aí está! Um coração amoroso é capaz de abraçar a dor que emerge dessas memórias. Ama-se acima de tudo, tente de novo e posteriormente se auto-perdoe, da mesma forma que uma semente rompe em broto.

Um coração amoroso não se confunde com as tagarelices mentais nem com o doloroso diálogo interno.

É o único que pode acolher na dor, compreender na ausência, liberar na escassez. Mas você precisa saber que é o coração e não a mente. É a alma silenciosa e não a mente barulhenta.

É esse maravilhoso caminho de si mesmo, em que na jornada tudo o que importa são os fenômenos de paz profunda. Em que as informações que transitam no espaço não fazem diferença na atitude que VOCÊ deve tomar.

Você é orientado por um coração amoroso, por que você é esse coração e faz com que ele seja você manifesto.

Where Should You Meditate? - Do it Everywhere!

Por isso preste atenção como reage. Como você está lidando com as emanações mentais alheias, ou como está realmente se importando com as escolhas dos outros.

Para você, os outros não devem existir enquanto informação, mas enquanto alma delicada e sofredora, que precisa também ser acolhida.

Se você realmente está no controle, permite que o coração doce e afável, amoroso, reflita tudo o que seu Espírito é.

Conhecer a sua essência é fundamental para libertar a virtude que existe em si. Portanto, preste atenção, se você está magoado deve estar prestando mais atenção no outro do que em si mesmo.


De tal forma que é necessário perceber quais são as emanações do nosso âmago. Será que estamos sendo realmente sinceros conosco mesmos?

Essa é a porção dolorosa da escolha de seguir o caminho Espiritual, é olhar com amor e respeito para as nossas imperfeições.

Tudo o que você quer é viver em paz, mas você é a paz! Enquanto você ficar querendo, nunca vai perceber que você já é.

Você quer a felicidade, mas enquanto você continuar querendo, não vai conseguir perceber que você já está e já é.

O único problema é que você permite que o medo tome conta. Medo do que os outros vão pensar, medo do que será do futuro, medo das situações, medo, medo, medo...

Se você viver buscando gratificação dos outros, você vai sofrer.

É no passado que reside o seu medo, por que é de lá que vem as experiências que lhe desagradaram e que doeram. 

Deixe seu passado para trás, livre dos "e se...". perceba o que você consegue fazer no agora, como pode avançar sabendo que "ódio é o apego a infelicidade".

Se realmente prestarmos atenção, veremos que no aqui e agora, tudo estará bem.

Realmente bem, respire fundo, você está bem!